Kwiatkowski em alta: Tirreno-Adriatico depois da Volta ao Algarve

Kwiatkowski em alta: Tirreno-Adriatico depois da Volta ao Algarve

Ciclista polaco venceu o Tirreno-Adriatico pela primeira vez na carreira.

O ciclista polaco Michal Kwiatkowski (Sky) venceu o Tirreno-Adriatico pela primeira vez na carreira, com a sétima e última etapa, um contrarrelógio individual, ganha pelo australiano Rohan Dennis (BMC). Kwiatkoski, de 27 anos, venceu a 53.ª edição da prova do calendário WorldTour, e uma das mais importantes da temporada ciclista, e tornou-se no primeiro polaco a triunfar na prova. O campeão do mundo de estrada em 2014 continua o forte arranque de temporada, depois de ter vencido a Volta ao Algarve.

O ciclista da Sky cortou a meta em 11.º lugar, com uma vantagem de três segundos sobre o italiano Damiano Caruso (BMC), que terminou no segundo lugar da geral, a 24 segundos. No último lugar do pódio ficou o britânico Geraint Thomas, colega de equipa de Kwiatkowski, a 31 segundos. "Foi uma semana difícil para a Sky, com o azar que tivemos com o Geraint, mas no final do dia estávamos motivados para ter uma grande corrida e foi isso que aconteceu. (...) É uma grande sensação ter este troféu comigo", atirou o polaco, depois da cerimónia de entrega de prémios.

Dennis voltou a vencer o crono de 10,05 quilómetros em San Benedetto del Tronto, à semelhança do ano passado, quando terminou a geral no segundo lugar, atrás do vencedor, o colombiano Nairo Quintana (Movistar).

O australiano de 27 anos completou o percurso com um tempo de 11.14 minutos, batendo o holandês Jos van Emden (LottoNL-Jumbo) por quatro segundos, e o espanhol Jonathan Castroviejo (Sky), terceiro, e o dinamarquês Mads Pedersen (Trek-Segafredo) por oito.

O recorde do crono do Tirreno-Adriatico é de 11.08 minutos, estabelecido em 2016 pelo suíço Fabian Cancellara, e Dennis admitiu, no final da prova, que seria "fantástico" poder bater esse tempo.

O ciclista que melhor aproveitou as características da etapa final foi o belga Tiesj Benoot (Lotto Soudal), que saltou do oitavo para o quarto lugar da geral ao conseguir o 46.º melhor tempo.

O português Nelson Oliveira (Movistar) voltou a mostrar-se em bom plano na sua especialidade, ao terminar em 15.º a 23 segundos do vencedor, terminando a prova no 51.º lugar da geral individual.

José Gonçalves gastou mais 40 segundos que Dennis e terminou o dia no 35.º posto, fechando a geral no 28.º lugar da geral individual.