João Rodrigues, vencedor da Alentejana: "Parece que ia numa bolha"

João Rodrigues, vencedor da Alentejana: "Parece que ia numa bolha"

Ciclista da W52-FC Porto segurou os três segundos de vantagem para Luís Mendonça e venceu a Volta ao Alentejo.

O português João Rodrigues (W52-FC Porto) festejou este domingo, na Praça do Giraldo, em Évora, a conquista da Volta ao Alentejo em bicicleta, ao segurar os três segundos de avanço sobre Luís Mendonça (Rádio Popular-Boavista) na sexta e última etapa.

O vencedor de 2018 tinha prometido luta até ao final dos 152 quilómetros da derradeira etapa, entre Portalegre e Évora, mas não conseguiu somar o segundo triunfo consecutivo e viu João Rodrigues, de 24 anos, vestir a amarela final.

"Parece que ia numa bolha, com a equipa toda à volta, não apanhei nada de ar, foi perfeito. Um grande obrigado a todos eles. Aqui só tinha de fazer o mais fácil, que era não perder tempo para o [Luís] Mendonça, e consegui. Ganhar é sempre um motivo de orgulho, isto é a demonstração de todo o nosso trabalho", referiu, vincando tratar-se de um momento especial. "Um dos melhores. Nem sempre é por termos ganho que é um dos melhores momentos, há outros momentos que nos marcam. Tenho outros momentos bons, mas este vai ficar para sempre gravado na minha carreira", disse.

"A equipa toda está bastante forte. Era um objetivo ganharmos a Volta ao Alentejo. O Raul [Alarcón] também estava muito bem. Tentámos fazer a diferença na etapa de ontem [sábado], na parte da manhã, mas não conseguimos, o [Luís] Mendonça esteve bastante bem, assim como os outros atletas. No contrarrelógio, conseguimos ser os mais fortes e aqui foi tentar não perder tempo", continuou.

O pódio ficou completo com a presença de outro ciclista dos azuis e brancos' o espanhol Raul Alarcón, vencedor das duas últimas Voltas a Portugal, que terminou em terceiro a quatro segundos do seu companheiro de equipa. "[João Rodrigues] É sempre um grande trabalhador, um grande amigo de todos e merece esta vitória", disse Alarcón, na véspera de cumprir 33 anos.

O final da etapa foi igual ao das duas primeiras desta Alentejana, com o espanhol Enrique Sanz (Euskadi-Murias) a levantar os braços e festejar o triunfo, desta feita em 3:29.33 horas, o mesmo tempo do britânico Gabriel Cullaigh (Team Wiggins), vencedor em Évora em 2018, e menos um segundo do que o compatriota e colega de equipa Mario González. "Três vitórias, com três trabalhos da equipa fenomenais. Vínhamos para isto, para vencer etapas. Em quatro oportunidades ganhar três, não está mal", disse o basco, que vestiu a camisola amarela em duas etapas.

A fuga da última etapa foi lançada ao quilómetro 16, com oito corredores, o mais bem colocado dos quais o português Gonçalo Leaça (LA Alumínios), que chegou a 'ameaçar' a liderança, quando a fuga teve 6.05 minutos de avanço.

A 18 quilómetros da meta, o pelotão absorveu os quatro últimos resistentes, com a chegada a ser feita a alta velocidade até Évora, onde, além de João Rodrigues, Luís Mendonça (pontos), o norueguês Tobias Foss (Uno-X), na juventude, o neozelandês James Fouché (Team Wiggins), na montanha, e a W52-FC Porto (melhor equipa) confirmaram os triunfos.