"Estou bastante queimado na pele, consigo andar, mas vou fazer exames"

"Estou bastante queimado na pele, consigo andar, mas vou fazer exames"
Frederico Bártolo

Tópicos

Rui Vinhas foi sexto no Limousin, apesar de ter sido atirado ao chão no final, enquanto António Carvalho desistiu na Dinamarca, onde Veloso e Edgar Pinto subiram

Rui Vinhas acabou em sexto na geral do Tour de Limousin, entregando à W52-FC Porto o sexto top 10 da época em provas por etapas no estrangeiro. O trepador de Sobrado partia para a última etapa, de Confolens a Limoges, no quinto posto e estava em condições de o segurar, mas foi tocado na roda traseira a 300 metros da meta e caiu.

"Podia ser melhor. Fui impedido pela queda", disse a O JOGO, já mais recuperado de um trambolhão em que ainda foi atingido por Mikel Aristi (Euskadi-Murias) e Kristian Sbaragli (Israel Academy), terceiro e sexto na geral. Todos ficaram com o tempo do vencedor da etapa (Francesco Gavazzi, da Androni) e Vinhas acabou a prova em sexto, a 32 segundos de Benoit Cosnefroy, o vencedor. "Estou bastante queimado na pele. Consigo andar, mas vou fazer exames. Para já, estou a caminho do Porto e, se as dores não diminuírem, vou ao hospital mal chegue", comentou ainda, depois de ajudado por César Fonte, que esteve em fuga nos últimos quilómetros e foi décimo na etapa, sendo o outro sobrevivente de uma equipa afastada da geral coletiva devido a uma intoxicação alimentar.

Se Vinhas valeu mais 40 pontos no ranking mundial à W52-FC Porto, hoje deverão ser Edgar Pinto (11.º), Gustavo Veloso (12.º) e Samuel Caldeira (14.º) a somar mais alguns na Volta à Dinamarca, onde a equipa reagiu bem à queda que obrigou António Carvalho a desistir. Ricardo Mestre esteve em fuga e depois foram Veloso (9.º) e Pinto (13.º) a entrar com os primeiros na rampa final, terminando a cinco segundos de Jasper de Buyst (Lotto Soudal), vencedor da penúltima etapa.