"Aponto críticas à parceria Sporting-Tavira, não sou um sportinguista doente", diz Marco Chagas

"Aponto críticas à parceria Sporting-Tavira, não sou um sportinguista doente", diz Marco Chagas
Frederico Bártolo

Tópicos

Marco Chagas volta ao clube do coração para construir uma ponte, até aqui insuficiente, para as metas. Além de 2019? Só o futuro dirá, assume numa entrevista em que explica porque continuará na RTP

O Sporting vai entrar para a quarta temporada da sua nova presença no ciclismo e, além dos reforços para pedalar, conseguiu resgatar Marco Chagas, leão de coração e vencedor de quatro Voltas a Portugal. Na primeira entrevista enquanto conselheiro do ciclismo verde e branco, assume a O JOGO que 2019 será determinante para aferir se o projeto, ligado ao Tavira, continua.

O que o levou a assumir este projeto?

Aceitei este convite da Direção porque entendo poder contribuir para uma maior ligação entre o Sporting e o Clube de Ciclismo de Tavira. Estando toda a estrutura e parte técnica sediadas em Tavira, sentiu-se um distanciamento grande. Havia um elemento da Direção anterior a fazer a ponte, mas não tinha conhecimento e ele próprio admitiu isso. Quero saber como funciona a equipa.

Foi essa uma das razões para o insucesso do Sporting-Tavira nas últimas Voltas a Portugal?

Estando nesta parceria importante, que vai para o quarto ano, notou-se alguma ausência do Sporting enquanto Direção; em determinados momentos deveriam ter estado mais presentes. Incluo a Volta a Portugal. Não pode ser só uma presença simbólica. Outros clubes têm o presidente a acompanhar - os atletas sentem-no. Fora do clube, sou crítico quanto ao Sporting e aqui aponto críticas à parceria Sporting-Tavira. Não sou um sportinguista doente.

Passa a ser conselheiro da modalidade. Não acha que pode ser considerado uma sombra de Vidal Fitas [diretor desportivo]?

É preciso alguém a transmitir como as coisas vão correndo, passar a mensagem para o clube. Vou estar próximo do Vidal Fitas, que é e continuará a ser o responsável técnico. Acho que posso ajudar, até por ser um antigo atleta.

Presume-se, portanto, que tenha sido consultado quanto a reforços?

Fui ouvido, sim. Reunimo-nos todos, planeámos a época. As estratégias de corrida ficam para o Vidal.

Disse que continuaria na RTP. Não teme ser criticado por manter essa ligação estando num clube?

Não terei nenhuma presença ativa, não andarei dentro do carro da equipa. Não vou sequer tomar decisões. Quando chegar a hora de os ciclistas partirem, passam a ser todos iguais e limito-me a comentar a corrida. Todos sabem que sou imparcial.

Há pouco dizia ser crítico da parceria. O contrato termina em 2019: o Sporting-Tavira será para continuar?

Este ano será muito importante. Estamos a perceber o que pode ser melhorado para esta parceria continuar. Dirigentes das modalidades do Sporting já se reuniram com o Tavira. Mesmo que a associação com o Tavira e o apoio da cidade não seja o que gostaríamos... é o possível para já.

Continuar a solo não será uma opção?

O Tavira tem uma enorme tradição [equipa do mundo há mais tempo em atividade ininterrupta na modalidade] e peso no ciclismo, mesmo vindo de uma dimensão pequena. Não faço futurologia, mas até pelo respeito pelas pessoas daquela terra e pelo fundador [Brito da Mana], vamos fazer tudo para alcançar o máximo de vitórias. Ao longo do ano decidir-se-á o futuro.

A W52-FC Porto efetivou a subida à divisão Profissional Continental. É um desejo que vê para o seu Sporting?

Creio que sim. Não faz sentido ser de outra forma, se olharmos para a dimensão do Sporting. Permite-nos pensar que com outros patrocínios e apoios de equipamentos e bicicletas, seria possível. O próprio ciclismo português precisa. A subida da W52-FC Porto é uma excelente notícia para o ciclismo nacional; ter uma equipa no escalão Profissional Continental é sempre bom.

Acha que a Efapel avançará para essa ideia em 2020?

É uma empresa que aposta muito no desporto e no ciclismo. Pode ser, mas creio que querem é vencer a Volta e reforçaram-se para isso. Que seja um rastilho para pensarem em subir proximamente.