Giro: João Almeida deixa a Deceuninck-Quick Step no final da época

.

 foto Stuart Franklin / Getty Images / Deceuninck-Quick Step

Patrick Lefevere, manager da equipa belga, anunciou que não renovará com o português, mesmo sendo ele o líder no Giro. Bora-hansgrohe é o possível destino

O patrão da Deceuninck-Quick Step, Patrick Lefevere, anunciou na coluna que escreve no " Het Nieuwsblad" que João Almeida não irá renovar pela equipa belga, mas que isso não afetará a liderança na Volta a Itália, que se iniciou hoje.

O português poderá estar a caminho da Bora-hansgrohe, embora também tenha sido divulgado o interesse de UAE Emirates e Movistar.

"Não vai determinar a escolha tática para o Giro. Serão as pernas a decidir. Não me interessa nada, se ganhar o Giro, que seja com um belga ou um português", escreveu Lefevere sobre a saída, anunciada horas antes do arranque de uma das corridas mais importantes do ano. A Deceuninck poderá ser liderada por João Almeida ou pela nova estrela belga, Remco Evenepoel.

"Quem me conhece, sabe que a camisola da equipa é mais importante que as nacionalidades. O João é o líder, o Remco terá liberdade. Mais tarde, se o Remco for o mais forte dos dois e o Almeida não fizer o que se espera dele, a sua bicicleta irá para o camião e ele abandonará. E será exatamente o mesmo no caso oposto", ameaçou ainda o manager.

Sempre muito direto, Lefevere deixou ainda críticas ao empresário de João Almeida, o também português João Correia. "Durante as negociações vinha com frases como 'juro pelo meu filho' e sou intolerante com frases desse género. Quem é honesto não precisa desse tipo de linguagem. O Almeida deixará a equipa no próximo ano", escreveu.