Rússia prolonga detenção preventiva de basquetebolista dos EUA

Rússia prolonga detenção preventiva de basquetebolista dos EUA
Redação com Lusa

Tópicos

Tribunal de Khimki, nos arredores de Moscovo, refere a TASS, "satisfez o pedido dos investigadores e prorrogou a detenção até 18 de junho" da duas vezes campeão olímpica

A justiça russa decidiu, esta sexta-feira, estender, até 18 de junho, a ordem de detenção da basquetebolista norte-americana Brittney Griner, presa em fevereiro no aeroporto de Moscovo, por alegada posse de estupefacientes, informou a agência noticiosa TASS.

De acordo com a agência russa, o tribunal de Khimki, nos arredores de Moscovo, "satisfez o pedido dos investigadores e prorrogou a detenção da cidadã norte-americana Griner até 18 de junho".

Griner, duas vezes campeã olímpica (Rio'2016 e Tóquio'2020) e uma das principais figuras da Liga norte-americana de basquetebol (WNBA), foi detida em 17 de fevereiro, num aeroporto em Moscovo, após terem sido detetados óleos canabinoides, vaporizadores e outros produtos na sua bagagem, segundo autoridades locais.

A jogadora norte-americana, que enfrenta uma acusação que pode resultar numa pena até 10 anos de prisão, foi detida preventivamente por ordem do tribunal, que vigora até 19 de maio e que agora foi prolongada, noticiou a TASS.

Numa altura de tensão entre Rússia e Estados Unidos, em consequência da ofensiva militar do Kremlin na Ucrânia, existe o perigo de a poste norte-americana ser utilizada como instrumento de pressão no conflito, algo que Washington quer evitar, tentando manter o caso, o mais possível, fora da esfera mediática.

A atleta sete vezes 'All-Star' da WNBA alterna a carreira na Liga norte-americana com a presença na Rússia, representando o Ecaterimburgo desde 2014.