"Lembro de me rir no balneário sem saber se estavam a rir de mim ou apenas de outra coisa..."

"Lembro de me rir no balneário sem saber se estavam a rir de mim ou apenas de outra coisa..."
Redação

Tópicos

José Calderón jogou durante 14 anos na NBA e recorda as dificuldades de adaptação.

O espanhol José Calderón jogou 14 anos na NBA, entre 2005 e 2019, tendo o período mais longo sido passado nos Toronto Raptors: oito anos.

Agora, em entrevista no podcast Dishes & Dimes, o agora assistente de Michele Roberts na Associação de Jogadores, conta o quão difícil foi a adaptação à Liga norte-americana de basquetebol.

"O maior problema para mim era o idioma. Era impossível. Foi muito difícil, eu jogava na Europa, tínhamos alguns jogadores americanos e eu estava a dar aulas de inglês, por isso pensei que tudo iria correr bem. Até que cheguei a Toronto", começou por dizer, passando depois a explicar:

"Um dia cheguei a casa depois de um treino de pré-época e a minha mulher perguntou-me: "Não estás cansado?". Eu disse-lhe: "Não, mas dói-me a cabeça. O basquetebol está a correr bem, posso correr tanto quanto me pedem, mas também tenho de pensar no que estão a dizer". Tinha de traduzir e pensar no que queriam dizer, por isso tinha muito em que pensar e era muito complicado para mim. E ainda mais por causa da minha posição", continuou.

"Eu sou o base, quem comanda o jogo, e havia alturas em que eu pedia uma jogada no meio campo, olhava à volta e nenhum dos meus companheiros de equipa se movia. Não faziam ideia do que lhes estava a dizer. Depois o treinador, Sam Mitchell, alterou todas as ordens para sinais. "José [Calderón] não terá de falar". Aquilo foi duro", acrescentou, concluindo de seguida:

"Até me lembro de me rir no balneário sem saber se estavam a rir de mim ou apenas a rir de outra coisa, eu não fazia ideia. Havia demasiados sotaques, todos falavam demasiado rápido e eu não conseguia lidar com isso. Os primeiros meses foram uma dor de cabeça."