França esmaga Polónia e ruma à final do Eurobasket

França esmaga Polónia e ruma à final do Eurobasket
Redação com Lusa

Tópicos

No quarto parcial, com tudo definido, a França ainda aumentou a vantagem, para escandalosos 44 pontos de diferença (95-51), antes de fechar com um triunfo por 41.

A França, vice-campeã olímpica em título, qualificou-se pela terceira vez na sua história para a final do Europeu de basquetebol, ao esamagar a Polónia por 95-54, em Berlim, numa primeira meia-final que dominou por completo.

Depois de quase ter sucumbido perante Turquia, nos oitavos de final, e Itália, nos quartos, o conjunto gaulês passeou face aos polacos, que foram uma sombra da equipa que afastou a Eslovénia, de Luka Doncic, nos quartos de final.

Mais experimentada nestas fases de grandes competições, a França, campeã em 2013 e vice em 1949 - numa edição sem final - e 2011, foi melhor desde o início e dominou o encontro em todas as suas facetas, num embate sem história.

Por seu lado, a Polónia, que não aparecia numa meia-final há 51 anos, desde 1971, esteve um desastre a atirar ao cesto, sobretudo na primeira metade, em que só acertou sete de 30 "tiros" de campo, ficando-se por nove pontos no primeiro período e outros tantos no segundo, para chegar ao intervalo a perder por 34-18.

O intervalo em nada melhorou, pelo contrário, a produção dos polacos e os franceses aproveitaram para se colocar, rapidamente, com mais de 20 pontos à maior - chegaram a um máximo de 29 (59-30) -, sentenciando muito cedo o encontro.

No quarto parcial, com tudo definido, a França ainda aumentou a vantagem, para escandalosos 44 pontos de diferença (95-51), antes de fechar com um triunfo por 41.

Guerschon Yabusele, com 22 pontos, liderou os franceses, secundado pelos 10 de Evan Fournier e Elie Okobo, num conjunto em que todos os 12 jogadores marcaram, com 62% nos lançamentos de campo (36 em 58), incluindo 58% nos triplos (15 em 26).

No conjunto polaco, reduzido a 32% nos lançamentos de campo (17 em 53), "dizimado" nas tabelas (21 ressaltos, contra 40) e sem destaques individuais, os melhores marcadores foram Michal Michalak e AJ Slaughter, ambos com míseros nove pontos.

A França fica agora à espera do vencedor do jogo entre a anfitriã Alemanha, vencedora em 1993, e a Espanha, campeã em 2009, 2011 e 2015, a segunda vez numa final face aos gauleses (98-85, na Lituânia), para saber com quem jogará na final de domingo.