Suspensão da Rússia do atletismo mundial vai ser reavaliada em 2023

Suspensão da Rússia do atletismo mundial vai ser reavaliada em 2023
Redação com Lusa

Tópicos

World Athletics reavalia suspensão da Rússia em março de 2023.

O Conselho da World Athletics, órgão máximo do atletismo a nível mundial, adiou para março de 2023 uma decisão sobre a reintegração da Rússia, que continua suspensa há sete anos devido ao seu esquema organizado de doping.

Por outro lado, o Conselho da World Athletics, reunido em Roma, decidiu não sancionar a federação queniana da modalidade, uma possibilidade que estava sobre a mesa depois dos numerosos casos positivos revelados em 2022.

Suspensa desde novembro de 2015, a federação russa fica agora com esperanças no regresso em março próximo, quando a 'task force' para avaliar os progressos na luta antidoping na Rússia apresentar o seu relatório final.

A decisão não terá "qualquer impacto" sobre a suspensão de russos e bielorrussos ligada à guerra na Ucrânia, explica Sebastian Coe, presidente da World Athletics, em conferência de imprensa. "A diferença é clara", sublinhou Coe.

"Algumas questões ficam por resolver até março, esperamos sinceramente que tudo fique resolvido", referiu, por seu lado. Rune Anderson, o chefe da task force, ao mesmo tempo que saúda a "mudança de cultura" e as práticas de "boa governança" no seio da federação russa.

Por agora, o Quénia escapa a sanções, mesmo minado por mais de 25 casos de doping em 2022.

Sebastien Coe revelou a promessa dos quenianos de investimento de cinco milhões de dólares por ano (cerca de 4,81 milhões de euros) durante cinco anos para financiar o combate ao doping (testes, pessoal, investigações).

"A Unidade de Integridade do Atletismo (UIA) continua a trabalhar em conjunto com a federação queniana", garante Coe. "O regresso da confiança no sistema será longo, mas todos os atores. locais e internacionais, estão alinhados para resolver o problema", acrescentou.

Desde 2016 que o Quénia está classificado na categoria A (a de maior risco) na lista de vigilância do atletismo mundial e da Agência Mundial Antidopagem (AMA). Entre os atletas sancionados estão Diana Kipyokei, vencedora da maratona de Boston de 2021, Mark Kangogo, vencedor do trail Sierre-Zinal e ainda Kenneth Kiprop Renju, que venceu a meia-maratona de Lisboa.

A World Athletics decidiu também atribuir às Bahamas a organização do Mundial de estafetas de 2024, prova que será de qualificação para os Jogos Olímpicos Paris'2024.

Entretanto, prossegue a divulgação dos prémios anuais da organização, conhecendo-se hoje o segundo prémio para o atletismo ucraniano.

Sebastien Coe entregou a Yevhen Pronin, da Federação Ucraniana, o Prémio do Presidente, pela "resistência e força" que demonstraram após a invasão do seu território pelas forças armadas russas.

O Prémio do Presidente, outorgado pela primeira vez em 2016, reconhece um "serviço excecional ao atletismo". Antes dos ucranianos, já ganharam a jornalista britânica Vikki Orvice, o diretor de competições suíço Andreas Brugger, o atleta jamaicano Usain Bolt e a atleta queniana Tegla Loroupe.

Na segunda-feira, já tinha sido um ucraniano a ganhar o prémio de treinador do ano - ​​​​​​​Gennadii Zuiev, o técnico do saltador em altura Andriy Protsenko, medalhado nos Europeus e Mundiais este ano.