Nélson Évora: duas mãos cheias de medalhas e um palmarés impressionante

Nélson Évora: duas mãos cheias de medalhas e um palmarés impressionante

Um salto com 17,10 metros, o seu melhor da época, ao quinto ensaio, valeu a ascensão ao topo da final,

O ouro alcançado por Nélson Évora no triplo salto dos Europeus de Atletismo, em Berlim, vem reforçar o estatuto do saltador português na história da modalidade, com a marca das 10 medalhas em grandes provas. Aos 34 anos, e mesmo sem estar na sua melhor forma, o atleta do Sporting deu continuidade a um excelente 2018, depois de já ter arrecadado a medalha de bronze nos Mundiais de pista coberta de Birmingham, em março.

Um salto com 17,10 metros, o seu melhor da época, ao quinto ensaio, valeu a ascensão ao topo da final, relegando o azeri Alexis Copello (16,93) e o grego Dimitrios Tsiámis (16,78) para o segundo e terceiro lugares, respetivamente.

Évora voltou a dar provas de uma grande maturidade e resiliência, ao deixar no passado os anos fustigados por graves lesões. Hoje, em Berlim, atingiu pela primeira vez o ouro em Europeus ao ar livre, algo que já havia conseguido por duas vezes na carreira em pista coberta.

Desde 2017 sob a orientação do treinador cubano Ivan Pedroso, após uma carreira construída ao lado do técnico João Ganço, o saltador português vive agora uma segunda juventude nos anos em que se suporiam como a reta final da carreira.

O palmarés de Nelson Évora chega, assim, às dez medalhas em grandes competições. Em Mundiais, surpreendeu todos em Osaca2007, com o título. Seria depois prata volvidos dois anos e bronze em 2015 e 2017. Logo a seguir a Osaca, foi campeão olímpico em Pequim2008.

A estes sucessos junta o ouro dos dois últimos europeus 'indoor', a que acresce o terceiro posto no Mundial de pista coberta de 2008 e agora em 2018. Tem ainda mais sete lugares de 'top-8' a este nível, só como sénior. A carreira de Nelson Évora sofreu uma fase de quase apagamento entre 2010 e 2012, com várias lesões, uma das quais muito grave (fratura da tíbia) e cirurgias, mas conseguiu superar isso e ressurgir a um nível de novo excecional.

Ficha de Nelson Évora

Local/data de nascimento: Abidjan, Costa do Marfim, 20 abril de 1984 (34 anos).

Cabo-verdiano por filiação, foi depois naturalizado português a 27 de maio de 2002.

Clubes: Odivelas (até 1995), Benfica (1996 a 2001), FC Porto (2002 e 2003), Benfica (2004 a 2016) e Sporting (desde 2017)

Treinador: João Ganço (até 2016), Ivan Pedroso (desde 2017).

Principais recordes pessoais:

Triplo salto: 17,74 metros (Osaca, 2007).

Salto em comprimento: 8,10 metros (2007).

Principais resultados no triplo salto

Jogos Olímpicos: Campeão em 2008, 6.º em 2016.

Mundiais: Campeão em 2007, 2.º em 2009, 3.º em 2015 e 2017, 5.º em 2011.

Europeus: Campeão em 2018, 4.º 2006 (6.º no comprimento), 6.º em 2014.

Europeus pista coberta: Campeão em 2015 e 2017

Mundiais pista coberta: 3.º em 2008 e 2018, 4.º em 2016, 6.º em 2006.

Europeus de sub-23: 3.º em 2005

Europeus de juniores: Campeão em 2003 (triplo e comprimento)

25 vezes campeão de Portugal (11 das quais em pista coberta, 11 no triplo ao ar livre).