Lorène Bazolo vai dar entrada em Oran: "A cada etapa, quero conseguir passá-la"

Lorène Bazolo vai dar entrada em Oran: "A cada etapa, quero conseguir passá-la"
Redação com Lusa

Tópicos

A marca de 11,10 segundos nos 100 metros, e a de 22,64 nos 200, são recordes nacionais que estabeleceu em 2021

A atleta olímpica Lorène Bazolo, que esta quinta-feira entra em ação nos Jogos do Mediterrâneo Oran'2022, foca-se no trabalho e no "dia a dia", sem planear em demasia, e apresenta uma longevidade invulgar em velocistas.

Estreia-se em Jogos do Mediterrâneo, em que Portugal só participou ainda em Tarragona'2018 e agora Oran'2022, e está inscrita nos 100 metros, nos 200 metros e na estafeta de 4x100 m.

A marca de 11,10 segundos nos 100 metros, e a de 22,64 nos 200, são recordes nacionais que estabeleceu em 2021, e hoje tem 39 anos, uma idade pouco comum entre a elite mundial.

A atleta do Sporting nasceu em 1983 e vem com "uma sensação positiva" dos Nacionais, mas a ideia nítida de que quer "fazer melhor aqui", na Argélia, em que por "ranking" é terceira nos 100 e quarta nos 200.

Apesar disso, o foco é em "passar as eliminatórias" e depois ir "à luta na final para conseguir o melhor resultado possível".

A longevidade invulgar para uma velocista, numa carreira em que foi porta-estandarte do Congo em Londres'2012 e depois representou Portugal no Rio'2016 e em Tóquio'2020, tem uma explicação: "trabalho e dedicação".

Um objetivo claro é Paris'2024, mas primeiro, pensa nos Mundiais, em que quer "um bom resultado", e tem o "sonho" de chegar a uma final num campeonato da Europa.

Não olha para o calendário como um todo, numa fase em que está "engordado" ainda devido aos adiamentos pela pandemia de covid-19, mas antes "prova a prova".

"A cada etapa, quero conseguir passá-la. E não pensar numa prova que é mais longe. Eu penso no geral, que tenho um objetivo a cumprir. Mas no dia a dia penso no que vem amanhã, em vez do que vem daqui a dois ou três meses", resume.

Os Jogos do Mediterrâneo Oran'2022 arrancaram no sábado e decorrem até 6 de julho, com mais de três mil atletas de 26 países diferentes, incluindo 159 portugueses em 20 disciplinas.

Entre o contingente luso estão vários atletas olímpicos, como Evelise Veiga, Cátia Azevedo, Vera Barbosa, Tsanko Arnaudov, Tiago Pereira, Lorene Bazolo e Liliana Cá, a ginasta Filipa Martins, os atiradores Joana Castelão, Sara Antunes, João Costa e João Paulo Azevedo, os nadadores Ana Catarina Monteiro, Francisco Santos, Ana Rodrigues, Gabriel Lopes, Alexis Santos e Tamila Holub ou também os mesatenistas Jieni Shao e João Monteiro.