"Sonho do Madeira SAD é jogar a Champions"

"Sonho do Madeira SAD é jogar a Champions"
Rui Guimarães

Tópicos

Carlos Pereira, presidente do Marítimo há 23 anos, é também líder do Madeira Andebol SAD e assume a ambição própria e da região.

Carlos Pereira é um dos dirigentes históricos do futebol português, sendo presidente do Marítimo há cerca de 23 anos. Mais recentemente, há seis, tornou-se também líder do Madeira SAD - clube que, em 1998, ajudou a fundar -, tendo admitido na terça-feira um sonho.

"Já jogámos uma final europeia, mas isto é como no futebol, sonhamos com a Liga dos Campeões, queremos estar ao mais alto nível. Se estou a dizer que sonho jogar a Champions de andebol? Sim, sonhar ainda é aquela coisa pela qual não se paga imposto e além disso há a promessa de maior apoio governamental. Será esse também o sonho da região, vamos ver o que podemos ir fazendo", disse Carlos Pereira a O JOGO.

"Sabemos das nossas limitações, temos um tecido empresarial curto, somos uma pequena ilha no meio do Atlântico, mas temos ambição e quero dar uma palavra de agradecimento a todos os que contribuem para este projeto", prosseguiu o dirigente, destacando: "Tudo tem uma grande mão do Paulo Fidalgo, que foi o convidado a arrancar com isto em condições rudimentares e limitadas."

A verdade é que o conjunto insular tem crescido e na época passada, além de jogar o Grupo A do campeonato, foi à final-four da Taça de Portugal e à final da Challenge. "O Madeira SAD tem trazido grande visibilidade à região e tem conseguido evoluir através da experiência do Fidalgo, mas também da grande dedicação do Frederico Machado [diretor desportivo] e do Rodolfo Ferreira [administrador]", explicou Carlos Pereira, um dirigente cada vez mais próximo da modalidade. "Já acompanhava o andebol dentro da medida do possível, mas agora faço-o com mais assiduidade. Dentro deste espírito, foi quase obrigatório", reconheceu. "É sempre importante a presença do responsável máximo, os jogadores gostam de ver o primeiro rosto do clube com eles, gostam de ter aquela palavra de incentivo, de sentir o apoio", justificou Carlos Pereira.