Selecionador diz o que é preciso para Portugal fazer história no Mundial

Selecionador diz o que é preciso para Portugal fazer história no Mundial
Redação com Lusa

Tópicos

Paulo Jorge Pereira reage ao sorteio do Mundial de andebol realizado este sábado.

O selecionador português de andebol, Paulo Pereira, reconheceu este sábado que o Mundial2021, no Egito, será "difícil", mas há a hipótese de "fazer história", após o sorteio ditar confrontos com Argélia, Islândia e Marrocos.

"Sobre o sorteio em si, sabemos que será um Mundial difícil, mas também sabemos que temos de respeitar, para além dos nossos adversários, o nosso potencial. E, se o fizermos, conseguiremos fazer história neste Mundial", destacou, citado pela Federação de Andebol de Portugal (FPA).

Contra a Islândia, há "vantagens e desvantagens", uma vez que há outros jogos para o apuramento para o Europeu de 2022 em janeiro, enquanto a Argélia "foi recentemente campeã africana", ambas "seleções de um nível médio-alto, assim como Marrocos".

Para o torneio, a que Portugal volta depois de a última participação ter sido em 2003, o objetivo é "compromisso absoluto" com a possibilidade de "fazer uma excelente prova".

O sorteio realizado em Gizé ditou a colocação da seleção portuguesa, sexta no Euro2020, no grupo F, com islandeses, argelinos e marroquinos, regressando aos Mundiais após ter integrado o pote 1 antes do sorteio.

O torneio está marcado para o Egito entre 14 e 31 de janeiro, com 32 equipas participantes, pela primeira vez, com 30 já encontradas, faltando apurar uma formação da América do Norte e outra da América do Sul.