O "reset" de Paulo Pereira após novo feito: "O nosso cérebro tem de se ligar a outras coisas"

O "reset" de Paulo Pereira após novo feito: "O nosso cérebro tem de se ligar a outras coisas"
Rui Guimarães

Tópicos

Paulo Jorge Pereira passou a noite no Porto, foi vacinado de manhã e, ao fim da tarde, desde Vigo, falou em exclusivo a O JOGO.

"Quando chego a casa dos estágios e jogos penso mais na família, em aproveitar os dias para descansar e desligar completamente. Normalmente não há jogos para ver, há sempre um período de dois ou três dias para desligar e depois recomeçar. Ainda agora, daqui a pouco, vou dar uma volta com a minha mulher [Montse Alvarez]", disse na segunda-feira, já quase ao final da tarde em Vigo (Espanha), onde vive, Paulo Jorge Pereira a O JOGO.

"O nosso cérebro tem de se ligar a outras coisas, que saia ao registo normal do que é a preparação de uma partida. Aproveito para fazer um "reset"", continuou o selecionador nacional que, anteontem, em Matosinhos, garantiu a Portugal um lugar como cabeça de série no sorteio para Euro"2022.

"Quando volto ao trabalho, faço um relatório do que fizemos, que é mais para mim, para corrigirmos algumas coisas. A primeira reunião para este estágio teve em conta dados do Mundial e do pré-olímpico. Centramo-nos no que é o processo e o trabalho do dia a dia e em encontrar motivações para melhorar", explicou o técnico natural de Amarante, mas portuense de coração.

"Nestes períodos de descanso aproveito para ler, livros ligados à gestão de grupos, isso é das coisas que mais me entusiasma, a liderança. O livro que estou a ler agora, e que saiu recentemente, é do António Damásio, que é um neurocientista português residente nos Estados Unidos. Chama-se "Sentir e saber", com o pós-título "A caminho da consciência"", revelou.

A propósito disso, será essa liderança e essa gestão de grupo um dos pilares do êxito que a Seleção de andebol tem tido? "Eu sou a pessoa menos indicada para responder, os atletas e o staff é que podem analisar, mas eu acredito que possa ser um dos fatores. Pensar a forma de conquistar coisas. Isto não tem só a ver com andebol ou preparação física. Eu sou apenas mais uma pessoa que tenta e tem a obrigação de aglutinar as energias e o esforço de todos", responde, não dando muita importância às quatro qualificações consecutivas após 14 anos de ausência: "Não penso muito no passado, mas sei que temos como referência o jogo com a França, em Guimarães, como o "clique". Mas para mim foi num jogo em que Portugal ganhou na Lituânia, por um, depois de termos ganho em casa à Roménia tendo sofrido apenas 13 golos em que o nosso amigo Quintana fez uma exibição memorável. Sinto que a mudança surgiu em outubro de 2018. Mudar o registo do coitadinho demorou".

"Não entendo 14 atletas mais um"
"O Sérgio [Barros] tem sempre uma atitude extraordinária, mas ontem (domingo) tinha de sair alguém, para além do guarda-redes, e eu preferi manter os quatro pivôs, para ter duas duplas na defesa e no ataque e para isso tive de tirar um extremo", explicou Paulo Jorge Pereira, garantindo não ter sido nenhuma experiência para o facto de apenas poder levar 14 atletas, mais um, aos JO. "O que espero é que as pessoas reconsiderem isto dos 14 atletas mais um. Pelo menos 15! Eu não consigo entender como é que há um atleta que não pode jogar", disse.