Magnus Andersson e a Champions: "FC Porto tem um grupo louco; será divertido"

Magnus Andersson e a Champions: "FC Porto tem um grupo louco; será divertido"
Carlos Flórido

Tópicos

A Liga dos Campeões deste ano é anormalmente desequilibrada e o FC Porto ficou no grupo dos "tubarões". O treinador mantém a meta de entrar nos seis apurados.

O FC Porto já partiu na terça-feira para a Ucrânia, abrindo a Liga dos Campeões deste ano com a viagem mais longa, pois joga esta quinta-feira (17h45, Porto Canal) em Zaporozhye, com o Motor. Seguem-se os alemães do Flensburgo, que na próxima quarta-feira visitam o Dragão Arena, e depois Dínamo de Bucareste, Veszprém, Kielce, Barcelona e PSG.

Nunca uma equipa portuguesa enfrentou um lote de adversários tão forte - quatro deles estão nas primeiras seis posições do ranking europeu. Passar aos oitavos de final, meta atingida nas duas últimas épocas, continua a ser o objetivo, mas será necessário lutar ainda mais para terminar o Grupo B num dos seis primeiros lugares.

Para o técnico Magnus Andersson, o confronto com os "tubarões" da Europa só pode ser feito de uma forma. "Sem pressão", disse a O JOGO.

A equipa já está pronta para a Champions League?

-Espero bem que sim! Estamos num grupo louco. Realmente muito difícil, mas também será divertido. São cinco equipas que ambicionam chegar à final-four da Champions: Barcelona, PSG, Veszprém, Flensburg e Kielce. Além disso não podemos esquecer o Dínamo de Bucareste e o Motor Zaporozhye, onde vamos começar. Vamos jogar sem pressão na Champions, sabendo que poderemos bater qualquer equipa mundial se estivermos bem.

Ter um grupo tão forte altera os objetivos?

-Essas equipas não mudam a nossa meta, que é passar à próxima fase, a dos últimos 16 [oitavos de final]. Teremos de ganhar pontos para lá chegar e sabemos que podemos jogar bem e perder, mas também que, se estivermos num bom dia, podemos ganhar. Nos últimos anos conseguimos bater várias boas equipas. Sabemos que conseguimos ganhar a qualquer equipa, mas temos de encarar este grupo com muito respeito. Vamos enfrentar equipas incríveis e com mais experiência. Vão ser jogos divertidos e o mais fácil será irmos sem pressão. Aqui, na Liga portuguesa, há sempre a pressão de ter de ganhar todos os jogos, mas temos de aprender a viver com isso. Às vezes até é bom ter pressão...

Para ter ambições precisa de começar a ganhar já amanhã, com o Motor?

-Nunca digo que temos de ganhar. No desporto nunca se pode ter a obrigação de ganhar. Mas obviamente que isso nos aumentará as hipóteses. Temos de admitir que deverá ser entre nós, Motor e Bucareste que se jogará um lugar nos oitavos de final.