Caso sério no andebol português: LX 50 tem dois anos e já quer chegar à Europa

Caso sério no andebol português: LX 50 tem dois anos e já quer chegar à Europa

Tem o prefixo de Lisboa no nome, mas está sedeado em Riachos, vila Ribatejana do concelho de Torres Novas que acolheu este clube ainda a dar os primeiros passos, mas ambicioso.

Já é campeão europeu de andebol de praia, mas é nos pavilhões que quer fazer-se gente. Está ainda a dar os primeiros passos, com dois anos de existência - embora o primeiro só a jogar masters e não federado - , mas o fundador e presidente do LX 50, Paulo Paiva dos Santos, já fala em alcançar lugares de acesso às competições europeias.

Mas vamos por partes. "Joguei andebol quando era mais novo e começamos a fazer umas almoçaradas e também uns jogos entre nós, de veteranos, juntando o pessoal com quem joguei no Sporting, encontros a que chamávamos andeboleão. A certa altura pensei passar disso para um projeto sério de seniores. Esta época jogamos a III Divisão, tivemos só uma derrota, no início, com o SIR 1.º de Maio, ou seja fizemos 22 jogos e 21 vitórias, e subimos à II Divisão", conta a O JOGO Paulo Paiva dos Santos, 60 anos, natural do Porto, mas desde criança a residir em Lisboa.

"Fizemos os estatutos, tudo o que legalmente se tem a fazer, umas das pessoas que tinha jogado no Sporting, o professor Frederico Santos, assumiu o comando técnico, e comigo, com a minha capacidade de gestão, conseguimos um projeto bem consolidado", diz o fundador do clube, há uns anos também fundador do grupo Generis.

"Quando fomos para a III Divisão, este ano, era a subida ou nada. Agora, que vamos para a segunda, será tudo ou nada para subir à primeira. Claro que agora é uma forma de falar, porque se não subirmos vamos tentar outra vez. Há equipas muito fortes, especialmente a norte, mas, mais tarde ou mais ceco, iremos subir", garante, tendo já alinhavado o futuro: "Na I Divisão iremos lutar para a Europa, ali com o meu querido Belenenses, onde os meus filhos jogam râguebi". Assim tão de repente, tal será uma ideia consciente? "É tão consciente como quando, com a Generis, fui para as grande farmacêuticas. Na altura também diziam que era impossível, porque as grandes multinacionais iam dar cabo de nós. Agora podem dizer o mesmo", responde.

Ainda este fim de semana, em Torres Novas, o LX 50, pela zona Centro, vai discutir o título da III Divisão com o Gondomar (Norte) e Naval Setubalense (Sul).

"Dinheiro vem do fundador"
"O dinheiro para este projeto vem do fundador", adianta Paulo Paiva dos Santos, respondendo sem rodeios a uma questão que muita gente coloca. "Fundei, e depois vendi, a Generis. A seguir estive ligado a várias obras sociais, mas, como as obras sociais têm muito o que se lhe diga, achei que mais valia meter-me num projeto desportivo, mas para ganhar. Fiz as contas, sei quanto é preciso, e decidi avançar. Portanto, provém da minha atividade profissional", explica. As equipas - o clube conta cerca de 40 miúdos na formação - jogam e treinam no Pavilhão Municipal, com o espaço cedido gratuitamente, o que é uma ajuda para Paiva dos Santos, que, por isso mesmo, decidiu retribuir. "A formação é gratuita. Temos consciência social, algo que eu e a minha família fomos aplicando ao longo da vida e não são uns 1000 euros por mês que iam afetar o projeto. Sabemos das dificuldades que os pais têm ao longo do mês. Muitas vezes perguntam-nos o preço porque podem não ter capacidade para pagar por dois filhos e teriam de optar por um... Nunca cobramos nem nunca iremos cobrar", assegura. "Temos de devolver à vila o que fazem por nós", justifica o presidente do LX 50.

Frederico Santos no comando
Frederico Santos, que esteve 13 anos não consecutivos no Sporting, dez como treinador adjunto e três como principal, comanda do LX 50 . "A malta que jogou na formação do Sporting foi-se juntando. A partir daí, o Paulo quis dedicar-se ao desporto, em especial ao andebol, e deu nisto", conta o técnico, que esteve no 1.º de Agosto, de Angola, em 2014/15. "A Europa é o desafio que me faz estar envolvido. Se não fosse ambicioso eu não estaria no projeto. A exigência, rigor e seriedade do Paulo são características com que me identifico totalmente", justifica.

Campeão europeu de praia
No passado fim de semana, em Palermo, Itália, o LX 50 sagrou-se campeão europeu de andebol de praia, numa final disputada com o GRD Leça. "A nossa aposta é no pavilhão, mas como temos alguns craques brasileiros, fizemos uma equipa de andebol de praia e fomos para Itália com ambições", admite Paulo Paiva dos Santos, que deixou um grande elogio ao emblema de Leça da Palmeira: "O GRD Leça tem muita tradição, anda há muitos anos na vertente de praia e fazem um excelente trabalho, têm alcançado ótimos resultados. Desta vez eram 16 equipas e os emparelhamentos foram dar numa final entre nós. Mas, até lá chegarmos, tantos nós como o GRD Leça fomos eliminando franceses, alemães, dinamarqueses, espanhóis, holandeses. Não foi um caminho fácil".