Rui Silva: a fé no apuramento de Portugal e dois destaques nos Países Baixos

Rui Silva acredita no apuramento de Portugal

 foto EPA

Portugal joga cartada decisiva para as contas do apuramento para a próxima fase do Europeu de andebol.

O central Rui Silva disse esta segunda-feira que acredita num "resultado positivo" no jogo de terça-feira com os Países Baixos, embora a continuidade no Euro'2022 de andebol não dependa só do resultado da seleção portuguesa.

Rui Silva, um dos jogadores em evidência na equipa lusa, considera que a seleção dos Países Baixos, na segunda posição do Grupo B, em Budapeste, à entrada para a última jornada, está a "surpreender por tudo aquilo que tem feito".

"Joga um andebol muito rápido e tem em dois jogadores, principalmente, uma qualidade acima da média. Acredito que seja o jogo mais parecido com o da Islândia, devido às características dos próprios jogadores", considerou Rui Silva.

A derrota tangencial no domingo com a Hungria (31-30), com um golo sofrido nos derradeiros segundos, deixou marcas, mas o central reteve "boas sensações" no que toca à evolução da seleção em relação à derrota com a Islândia (28-24).

O jogador apontou como principais armas individuais dos Países Baixos o central Luc Steins, dos franceses do Paris Saint-Germain, contra quem já jogou esta época pelo FC Porto, e o lateral direito Kay Smits, dos alemães do Magdeburgo.

"São dois atletas que jogam nos dois primeiros classificados das duas ligas mais fortes do mundo. São atletas que têm muito tempo de jogo nessas equipas", sustentou um dos capitães da seleção portuguesa.

De acordo com o organizador de jogo luso, Luc Steins "é um jogador excecional", que "consegue alcançar e ter a capacidade de imprimir uma velocidade de jogo acima da média e uma capacidade de decisão e rapidez de jogo muito forte".

Já Kay Smits, continua Rui Silva, "é um jogador também muito completo com características parecidas, um bocadinho mais forte, com capacidade de remate aos nove metros, capacidade de decisão, e muito do jogo dos Países Baixos passa por estes dois jogadores".

O central Rui Silva apontou ainda a questão do desgaste físico que considera "igual para as duas seleções", uma vez que ambas "tiveram dois jogos muito intensos" no domingo.

"Acredito que vamos estar melhores e, independentemente do que acontecer no jogo anterior [Islândia-Hungria], temos sempre que jogar para ganhar. Estamos a falar do nosso orgulho e de algo que pode contribuir para o "play-off" de apuramento para o Mundial", disse.

A luta no Grupo B por um lugar na fase principal mantém-se acérrima com quatro possibilidades de apuramento, entre Islândia, atual líder, com quatro pontos, Países Baixos e Hungria, com dois, e Portugal, com zero.

Apenas a Islândia depende de si própria para passar à fase seguinte, independentemente dos golos marcados ou sofridos, bastando-lhe um empate face à Hungria na terça-feira.

Estas duas formações entram em campo, no MVM Dome, às 18:00 (17:00 em Lisboa) e poderão determinar se Portugal entra no próximo jogo, a começar às 20:30 (19:30) já afastado da fase seguinte.