Um filme nunca visto

Portugal chega pela primeira vez à última jornada da fase de grupos de uma grande competição a depender de terceiros

A seleção portuguesa de futebol nunca tinha chegado à última jornada da fase de grupos de uma grande competição a depender de terceiros para se qualificar, como vai acontecer na derradeira ronda do Grupo G do Mundial2014. Para garantir a presença nos oitavos de final do torneio do Brasil, Portugal, com apenas um ponto, tem de vencer o Gana, na quinta-feira, mas esse resultado pode ser insuficiente, uma vez que Alemanha e Estados Unidos partem com quatro pontos para o seu confronto à mesma hora.

Um empate entre alemães e americanos afasta, desde logo, o conjunto luso, e, em caso de triunfo de uma das equipas, Portugal terá de anular uma grande desvantagem na diferença entre golos marcados e sofridos. Se os alemães vencerem, Portugal tem que recuperar, no conjunto dos dois jogos, um total de cinco golos, um número que aumenta bastante caso sejam os americanos a ganhar, pois os portugueses teriam de reconquistar oito golos.

Portugal chega ao derradeiro encontro com apenas um ponto, fruto do empate de domingo com os Estados Unidos (2-2), depois de se ter estreado com uma pesada derrota frente à Alemanha (4-0). Nunca na história, a seleção portuguesa chegou a esta jornada a depender de terceiros, embora já tenha entrado em desvantagem três vezes para o último encontro.

No Europeu de 1984, em França, Portugal entrava para a derradeira ronda com dois pontos, atrás da República Federal da Alemanha, que tinha três, e da Espanha, que tinha os mesmos da "equipa das quinas". Para se qualificar, Portugal precisava apenas de vencer a Roménia no último jogo. O golo que deu o triunfo (1-0) e a qualificação surgiu nos momentos finais do encontro, por Nené.

No Mundial2002, Portugal foi pela última vez afastado na fase de grupos, tendo, na ocasião, chegado à última jornada em desvantagem, mas a depender de um triunfo sobre a anfitriã Coreia do Sul para seguir em frente. A "geração de ouro", com Luís Figo, Rui Costa e João Vieira Pinto, acabaria por perder por 1-0, num encontro em que um empate teria bastado, uma vez que a Polónia tinha derrotado os Estados Unidos, que, mesmo assim, acompanharam a Coreia do Sul para a fase seguinte.

Dois anos depois, no "seu" Euro2004, Portugal voltou a entrar em desvantagem para a última jornada, com menos um ponto do que Grécia, que se viria a sagrar campeã, e do que a Espanha. Um triunfo sobre a seleção do país vizinho na última ronda era suficiente para Portugal seguir para os quartos de final e, em Alvalade, Nuno Gomes deu os três pontos à "equipa das quinas", que atingiria nessa prova, pela primeira e única vez, a final de uma grande competição.

Além de 2002, apenas mais uma vez Portugal foi eliminado na fase de grupos, em 1986, no Mundial do México, no qual até chegou à última jornada em posição de se qualificar, com dois pontos, menos um do que a Polónia e os mesmos de Marrocos, sobre quem tinha vantagem, e mais um do que a Inglaterra. Contudo, a derrota com os africanos acabou por ditar o afastamento de Portugal, num grupo em que as outras três equipas seguiram para os oitavos de final.

No último Europeu, em 2012, Portugal perdeu o primeiro jogo com a Alemanha e entrou para a última jornada em igualdade pontual com a Dinamarca, mas com vantagem no confronto direto, pelo que o triunfo sobre a Holanda na última jornada deu o apuramento.