Iuri Medeiros nas mãos do prof. Bryan Ruiz

Iuri Medeiros nas mãos do prof. Bryan Ruiz

O último açoriano a brilhar no Sporting, Mário Jorge, espera que o seu conterrâneo aprenda com um jogador de classe mundial

Já foi quase há 40 anos, na temporada 1979/80, que o açoriano Mário Jorge se estreou com a camisola do Sporting (ganhou seis provas com os leões em 268 jogos disputados). Passado todo este tempo outro ilhéu, também extremo e canhoto como ele, se prepara para defender a equipa principal dos leões: Iuri Medeiros (21 anos). O JOGO falou com Mário Jorge sobre a sua "sucessão" com a camisola verde e branca, e este, sem querer fazer comparações, defendeu que o seu conterrâneo tem o talento necessário para ser "a próxima bandeira dos Açores", depois dele próprio e de Pauleta. Mas, para alcançar esse estatuto, terá de "trabalhar muito, com seriedade e paciência". Para se afirmar, ter como professor um jogador de classe mundial e com elevada inteligência de jogo, como Bryan Ruiz, pode ser fundamental.

"Iuri ganhou ritmo e cresceu com os empréstimos ao Arouca e ao Moreirense, mas ter sucesso vai depender dele. Tem ali uma boa referência, o Bryan Ruiz, também canhoto, experiente, um jogador de classe mundial, de topo. Até se fala que pode ser um dos capitães, é importante. Pode aprender muito com ele", perspetivou o antigo leão, que acredita que o costa-riquenho pode ser o professor de Iuri Medeiros em aspectos como a leitura de jogo, a tomada de decisões, o posicionamento com e sem bola ou a ocupação de espaços. E Mário Jorge até exemplificou, falando da sua experiência: "Quando integrei a equipa principal, aprendi mais a treinar com grandes jogadores como Jordão, Manuel Fernandes, Eurico, Oliveira. No dia a dia vai-se crescendo e ganhando confiança, não é só ao domingo. Ter bons mestres que percebam da poda é meio caminho andado. Mas é preciso dar tempo, não se pode criar grandes expectativas no imediato."

Mário Jorge, que se tornou leão aos 12 anos de forma peculiar - "Faltei às aulas e aproveitei para ir treinar com o Sporting. Na altura recrutavam em treinos de captação, e eu tinha um amigo que treinava lá, foi ele que me desafiou", lembrou -, sabe que os primeiros tempos no plantel principal vão ser "difíceis". As oportunidades vão escassear e é preciso ter poder de encaixe para aceitar o banco de suplentes e muita vontade e serenidade para cumprir e eventualmente convencer e "pedir" mais minutos quando estas surgirem. "O Iuri já provou que tem talento, mas mais importante que a qualidade técnica nesta fase é a cabeça, a capacidade mental para perceber o que é jogar na equipa principal do Sporting. Tenho a certeza de que Jorge Jesus saberá aproveitá-lo e onde poderá render mais. Ainda é prematuro dizer que vai jogar na direita, no meio ou na esquerda. Mas creio que poderá jogar pelas alas", comentou.

Se Iuri Medeiros vai ter o êxito do conterrâneo Mário Jorge, ou até do também canhoto Paulo Futre, é uma incógnita. "Tudo vai depender dele", insiste Mário Jorge, defendendo não gostar "de fazer comparações com jogadores de épocas e contextos diferentes".

Ninguém aponta Iuri Medeiros como candidato, no futuro, a melhor jogador do mundo. Mas porque não apesar de nos Açores não haver grande tradição na formação de talentos? "Também se produz nos Açores bons jogadores! Afinal de contas vem de uma ilha, da Madeira, o melhor jogador do mundo [Cristiano Ronaldo]! Nas ilhas também há talento e o Iuri Medeiros é um exemplo", defendeu o antigo lateral e extremo-esquerdo do Sporting, internacional por Portugal oriundo de Ponta Delgada.