Cristóvão condenado a 4 anos e meio de prisão

Cristóvão condenado a 4 anos e meio de prisão

O ex-dirigente não saiu incólume do "caso Cardinal" e fica com pena suspensa, após se ter provado a sua participação no depósito dos dois mil euros na conta do árbitro assistente. O Sporting foi ilibado de ligação às ações do ex-vice-presidente. Paulo Pereira Cristóvão terá ainda de pagar 40 mil euros a José Cardinal e 500 a cada um dos 35 árbitros que se fizeram assistentes no processo

Paulo Pereira Cristóvão, antigo vice-presidente do Sporting, foi ontem condenado a quatro anos e meio de prisão, com pena suspensa, na sequência do caso Cardinal. O ex-dirigente leonino foi considerado culpado pelo tribunal de dois crimes de peculato, um de acesso ilegítimo a dados e outro de denúncia caluniosa agravada. Pereira Cristóvão fica ainda obrigado a indemnizar em 40 mil euros o árbitro assistente José Cardinal por danos não patrimoniais, razão pela qual também irá ter de dar 500 euros a cada um dos restantes 35 árbitros que se constituíram assistentes no processo. Ainda sem somar as custas judiciais, o ex-dirigente terá de pagar 57,5 mil euros. O tribunal entendeu que o Sporting nada teve a ver com a ação do seu ex-funcionário e ilibou o clube leonino. O ex-dirigente foi absolvido das acusações de burla qualificada, branqueamento de capitais e devassa informática.

O tribunal deixou provado que o colaborador Rui Martins, a pedido de Pedro Pereira Cristóvão, depositou dois mil euros na conta de José Cardinal antes do Marítimo-Sporting, para a Taça de Portugal, em 2012. Rui Martins, que começou por ser arguido, tornou-se testemunha-chave contra Cristóvão. Outra sanção aplicada a PPC passa pela interdição por três anos de ter cargos desportivos, embora já tenha cumprido 15 meses desse castigo quando, em 2014, o Conselho de Disciplina da FPF o suspendeu.

A juíza Marisa Arnedo considerou "a prova inequívoca", falando de "tendências criminógenas" do agora condenado, dizendo que este "teve uma conduta que provocou alarme social e graves danos morais a José Cardinal e restantes árbitros", "exorbitando as suas funções" no Sporting.