Braga | NAC e Paulo Vinícius transferíveis

Braga | NAC e Paulo Vinícius transferíveis
Pedro Rocha

Centrais deixaram de ser intocáveis após as contratações de André Pinto e Kadu. O Besiktas (Turquia) está em vias de levar Nuno André Coelho

O plantel do Braga deverá perder mais jogadores até ao fecho do mercado de janeiro, situando-se na defesa algumas das hipóteses mais fortes: Nuno André Coelho e Paulo Vinícius. As contratações de André Pinto (ex-Panathinaikos) e Kadu (ex-Vitória da Bahia) inflacionaram significativamente o grupo de centrais, mas é uma situação provisória, pois Jesualdo Ferreira, em consonância com a SAD, já estabeleceu que até ao fim da época dará preferência a Santos, Sasso e aos dois reforços de inverno. Contas feitas, André Coelho e Paulo Vinícius estão claramente na porta de saída e o internacional português, que inaugurou o marcador no jogo com o Paços de Ferreira, será o primeiro a partir, rumo ao Besiktas, depois de ter recusado um convite dos sérvios do Partizan. A transferência está bem encaminhada, dependendo nesta altura apenas da receção da proposta do clube turco, a qual deverá rondar um milhão de euros.

Contemporâneo de André Coelho no Braga desde 2011, Paulo Vinícius tem sido perseguido pelas lesões mais do que nunca e, naturalmente, não há qualquer clube na disposição de comprar o passe do central brasileiro. A pouco mais de uma semana do fecho do mercado, a SAD arsenalista vai estudando alternativas e, perante a ausência de propostas, deverá mesmo apresentar ao jogador algumas sugestões de empréstimo, a menos que este esteja na disposição de continuar no plantel, já com a certeza de que dificilmente reconquistará a titularidade. Curiosamente, a primeira dupla de centrais da época, apresentada frente ao Paços de Ferreira, era constituída por Nuno André Coelho e Paulo Vinícius. Por opção técnica, Santos foi encaminhado para o banco de suplentes e apenas entrou em campo em cima do intervalo para substituir Paulo Vinícius, autor do primeiro golo de uma vitória segura (2-0) na Mata Real.

Volvidos quase seis meses, várias ideias foram repensadas pela estrutura profissional, à luz de critérios desportivos e também financeiros. O restabelecimento total de Sasso, que trabalhou quase sempre à margem do plantel durante a pré-época para recuperar de uma lesão na parede abdominal, traduziu-se, em competição, num importante "upgrade", permitindo ao mesmo tempo que o clube leve avante o plano de rejuvenescer o sector defensivo. Se as saídas de Nuno André Coelho (de 28 anos) e Paulo Vinícius (29) acontecerem já neste período de transferência, o lote de centrais passará então a ter uma média de idades de apenas 24 anos. O testemunho da experiência saltará para as mãos de Kadu, de 27 anos, mas começa a ser difícil imaginar outra dupla de centrais de valor acrescentado sem Santos (24 anos) e Sasso (22). André Pinto (24) fica à espera de uma oportunidade.