Marco Silva ganha força

Manuel Casaca

A possibilidade de treinar o FC Porto agrada a Marco Silva, mas o treinador do Olympiacos já fez saber que não quer sair de uma forma hostil, o que obrigará a uma negociação entre os clubes

Marco Silva é o mais sério candidato a suceder a José Peseiro no comando técnico do FC Porto. O treinador do Olympiacos volta a ser apontado ao banco dos dragões, tal como havia acontecido aquando da contratação de Julen Lopetegui e, mais recentemente, quando a escolha recaiu em José Peseiro.
Apesar de o técnico ribatejano ainda não ter rescindido o contrato que o liga ao FC Porto até 30 de junho de 2017, certo é que a saída é inevitável, tal como O JOGO escreveu na edição de ontem, e a SAD portista já está no mercado à procura do seu sucessor. Marco Silva (Olympiacos), Paulo Sousa (Fiorentina) e Leonardo Jardim (Mónaco) voltaram a ser equacionados, e nos bastidores foi ainda apontado o nome de Vítor Pereira, de saída do Fenerbahçe, e até de Lito Vidigal, treinador que levou o Arouca à Liga Europa.
De todos, sabe O JOGO, Marco Silva é o que está mais bem posicionado e que agrada aos responsáveis do FC Porto. Uma possível mudança para o Dragão, porém, terá de passar sempre pelo Olympiacos. O campeão grego não parece inclinado a deixar o treinador português sair, o que obrigará a uma negociação.
Por uma questão de gratidão, mas também porque tem sido muito bem tratado no clube ateniense, Marco Silva não quer sair de uma forma hostil, tendo, inclusive, dado conta dessa pretensão quando foi equacionado em janeiro para suceder a Julen Lopetegui. Nessa altura, e face à intransigência do presidente do clube grego, o treinador português deixou bem claro que futuramente estaria disponível para voltar a analisar uma eventual proposta dos dragões. A hora chegou, faltando saber se desta vez a SAD portista consegue convencer o Olympiacos a libertar o treinador que levou a equipa à conquista do campeonato grego.