Fabiano mais eficaz do que Helton e Baía

Fabiano mais eficaz do que Helton e Baía

Guarda-redes regressa ao onze em Alvalade, um estádio de boas memórias. Números apresentados estão ao nível de dois históricos

Quando fez a estreia pelo Olhanense em Alvalade, em agosto de 2011, Fabiano estaria longe de imaginar que aquele estádio ficaria para sempre ligado à sua ascensão no FC Porto. Desse primeiro jogo resultou o único golo consentido nas três visitas que lá fez, num empate (1-1) que até teve Marat Izmailov na lista de marcadores do Sporting. Mais de dois anos depois, Fabiano regressou a Alvalade para assinar a primeira grande exibição com a camisola do FC Porto; foi no dia 29 de dezembro de 2013, quando os dragões empataram sem golos, para a Taça da Liga, por culpa quase exclusiva de algumas defesas impossíveis do brasileiro. Uns meses depois, a lesão de Helton - sofrida em Alvalade, claro -, foi a oportunidade que lhe faltava para agarrar em definitivo a titularidade na equipa do FC Porto.

Fabiano resistiu à pressão de ter de substituir alguém com o peso de Helton e, já esta época, voltou a demonstrar uma enorme capacidade para contrariar o facto de Julen Lopetegui ter exigido a contratação de mais um guarda-redes importante para o plantel (Andrés Fernández).

O brasileiro não só superou a concorrência como também tem apresentado números dignos de registo. Nos 36 jogos que já realizou pelo FC Porto, sofreu apenas 23 golos, numa média que até é ligeiramente melhor do que a de dois históricos do clube, Vítor Baía e Helton.

Esta época é ainda mais brilhante, com Fabiano a ter consentido apenas um golo, e da marca de grande penalidade, depois de já ter feito sete partidas, três delas para a Liga dos Campeões. Amanhã, o guarda-redes brasileiro voltará a encontrar um adversário que sempre o fez brilhar, primeiro com a camisola do Olhanense, depois pelo FC Porto, até porque Lopetegui já lhe comunicou que será ele o titular em Alvalade.