Duelo de academias a cair para o olival

Duelo de academias a cair para o olival

A ideia de que o Sporting é o grande clube formador do futebol nacional não tem total correspondência com os factos. Na I Liga, por exemplo, a escola do FC Porto faz-se notar

As carreiras de Luís Figo e de Cristiano Ronaldo são a melhor propaganda à escola do Sporting, cujo aproveitamento para a primeira equipa também ajuda a difundir a ideia de que a melhor academia de formação do país é a de Alcochete. Não deixa de ser surpreendente, portanto, que a contagem de jogadores formados no FC Porto e no Sporting atualmente a competir na I Liga revele uma clara supremacia do centro de treinos do Olival.

Sim, o FC Porto tem revelado gritantes dificuldades em promover a transição entre as suas equipas de formação e o plantel principal, mas o que não cabe no clube interessa sobremaneira à concorrência interna dos dragões. Já o Sporting tem a rara capacidade de usar a academia em proveito próprio, mas fornece muito menos jogadores às restantes equipas do que o rival que hoje defronta.

Aliás, os dragões têm outros indicadores positivos no que toca à capacidade da sua formação. É verdade que venceram menos campeonatos nacionais do que os leões na última década (oito contra 12, com a diferença a fazer-se por inteiro no escalão de sub-19), facto que potencia que a tão elogiada geração de sub-21 tenha mais representantes sportinguistas do que portistas (relação de quatro ou cinco para dois, à luz das últimas convocatórias).

A tendência, porém, pode estar a inverter-se. E isso já foi visível na fornada de sub-19 que este ano chegou ao segundo lugar no Europeu da categoria (derrota na final com a Alemanha). Nessa prova estiveram cinco jogadores da formação do FC Porto para quatro do Sporting. Rúben Neves, que pertence, pela idade, ao escalão de sub-17, até podia muito bem ter lá estado, mas essa ausência potenciou a entrada do médio no plantel de Julen Lopetegui, e os factos confirmam-no como o grande produto da escola portista em mais de dez anos.

Uma árvore que não destoa assim tanto da floresta como é do senso comum: afinal, bem vistos os números, até é a formação do FC Porto que mais jogadores cria para a I Liga.