Chelsea corre por Brahimi

Mercado. Londrinos terão ultrapassado Liverpool, Milan e Wolfsburgo. SAD não aceita menos de 30 milhões de euros. Negócio para fechar em breve.

O futuro de Brahimi pode estar a dias de ser anunciado. O processo é para resolver com urgência e o Chelsea, sabe O JOGO, ultrapassou na corrida Liverpool, Wolfsburgo e Milan, clubes que também já demonstraram interesse no avançado portista, conforme noticiámos oportunamente. O FC Porto, porém, não aceita negociar abaixo dos 30 milhões de euros, metade do valor da cláusula de rescisão do internacional argelino, que foi titular no ataque azul e branco nas duas últimas temporadas. Na que agora terminou, Brahimi esteve em destaque precisamente nos dois jogos com o Chelsea, na fase de grupos da última edição da Liga dos Campeões. No Estádio do Dragão, Brahimi deixou Ivanovic com dores de rins, desenhou o lance do primeiro golo e ganhou o canto que resultaria no segundo, terminando como o melhor em campo na vitória do FC Porto (2-1). Na segunda mão, em Londres, ainda que os dragões tenham perdido (2-0), Brahimi voltou a ser o melhor elemento dos dragões, apesar de não ter tido tanta liberdade. A partir desses encontros, os responsáveis do emblema de Stamford Bridge ficaram com o avançado na retina e aproveitaram o decorrer da época para mais algumas observações; estiveram, por exemplo, no Jamor, na final da Taça de Portugal.

As negociações para contratar o argelino estão agora na última fase de um processo que deverá levar a SAD a encaixar, nos próximos dias, os primeiros milhões do mercado de transferências de verão. Contudo, convém recordar que, neste momento, o FC porto detém apenas metade dos direitos económicos do jogador, estando os outros 50 por cento "cedidos, em regime de associação económica, a terceiros", conforme se pode confirmar pelo último relatório e contas. Sublinhe-se que o documento refere ainda a hipótese da recompra de mais 5% dos direitos económicos até junho de 2017.

Entretanto, a apresentação das contas referentes ao terceiro trimestre do exercício de 2015/16 e os 37,9 milhões de euros de prejuízo vieram acelerar este processo, obrigando o clube a realizar mais-valias até ao próximo dia 30 de junho, de modo a que a sociedade possa reduzir os resultados negativos para, pelo menos, 8,6 milhões de euros, cumprindo assim com o fair play financeiro a que a UEFA obriga antes de admitir os clubes nas competições europeias.