FPF quer baixar a nota de Capela

Melo Rosa/Rui Miguel Gomes/Sérgio Krithinas

O observador Luís Ferreira classificou a atuação no dérbi com nota 3,7, o que corresponde a "muito bom". O Sporting reclamou ontem junto da secção de classificações, mas o próprio órgão responsável pelos árbitros também considera exagerada a marca de Capela, pois acha que houve diversos erros.

Afinal não foi só Jorge Jesus que achou que João Capela "fez uma grande arbitragem" no dérbi entre Benfica e Sporting. O observador Luís Ferreira, responsável pela avaliação do trabalho do juiz de Lisboa, classificou-o com nota 3,7 (de 1 a 5), o que equivale a "muito bom". Mas há fortes hipóteses de esta nota ser revista, e em baixa. É que o Sporting apresentou ontem, no último dia do prazo para o fazer, uma reclamação à secção de classificações do Conselho de Arbitragem (CA), obrigando a uma nova avaliação, desta vez da Comissão de Análise e Recurso, que terá por base as imagens televisivas enviadas pelos leões.

Mas, sabe O JOGO, mesmo que o Sporting não o tivesse feito, o CA iria solicitar à mesma comissão um parecer sobre a avaliação do observador, "como se de uma reclamação se tratasse" - esta possibilidade está prevista no artigo 9º das Normas de Classificação para Árbitros, Árbitros Assistentes e Observadores. É que o nosso jornal sabe que até o próprio Vítor Pereira, presidente do CA, viu algumas falhas na atuação de João Capela, pelo que não concorda com a nota de 3,7.

Ao contrário do que acontecia no passado, os clubes deixaram de ter acesso a notas e relatórios dos observadores, pelo que as reclamações terão de ser feitas "às escuras" e caso uma equipa entenda que foi prejudicada pela arbitragem. O 3,7 atribuído a Capela, noticiado ontem pela Rádio Renascença e confirmado por O JOGO, traduz-se num entendimento de que o juiz decidiu bem em todos os lances capitais, apesar das muitas queixas sportinguistas, confirmadas em parte pelo Tribunal de O JOGO, para o qual ficaram duas grandes penalidades por assinalar contra o Benfica (de Maxi Pereira sobre Diego Capel, aos 8', e do mesmo Maxi Pereira sobre Viola, aos 88'). Trata-se de erros considerados graves e com influência no resultado, o que, por si só, obriga à atribuição de nota inferior a 3.

Agora João Capela deverá ser reavaliado com negativa, o que terá graves consequências para a sua classificação no final da temporada. Se isso acontecer, será muito difícil que se mantenha entre os 12 primeiros, algo que pode complicar a sua carreira como internacional. O juiz de 38 anos tem as insígnias da FIFA desde 2011 e, de acordo com os regulamentos, perderá esse estatuto se acumular duas temporadas consecutivas abaixo do 12º lugar da classificação final. Se isso acontecer esta temporada, ficará com margem de erro muito reduzida para 2013/14.

Quanto ao observador Luís Ferreira, também sofrerá consequências caso a Comissão de Análise e Recurso considere despropositada a nota que atribuiu a João Capela. O mais provável é que seja também afastado da primeira categoria e não volte a fazer relatórios de jogos de competições profissionais.