Os pontos nas últimas qualificações e a conclusão: Seleção está em queda

Os pontos nas últimas qualificações e a conclusão: Seleção está em queda
Pedro Miguel Azevedo

Nas últimas duas qualificações para grandes competições, Portugal só aproveitou 70,8% dos pontos.

Nas oito partidas disputadas relativas ao grupo A de qualificação para o Mundial de 2022 Portugal ganhou cinco vezes, empatou duas e perdeu uma, precisamente este domingo na Luz ante a Sérvia (1-2).

Um desaire que deixou a equipa das Quinas em segundo e com 17 pontos, o que representa um aproveitamento de apenas 70,8 por cento dos que estavam em disputa. Ora, este desempenho de Portugal acaba por ser exatamente igual ao conseguido na qualificação anterior, para o Europeu de 2020, repetindo-se um aproveitamento bem abaixo dos primeiros dois feitos pela equipa nacional com Fernando Santos: 90 por cento na corrida para o Mundial"2018 e 100 por cento para chegar ao Euro"2016.

Olhando para o que foi o caminho de Portugal com Fernando Santos para o Europeu de 2016, onde iria levantar o primeiro grande troféu em seleções, houve perfeição: a única derrota foi com Paulo Bento no comando e frente à Albânia, que ditou o seu despedimento, conseguindo depois o atual técnico nacional assegurar a qualificação com sete triunfos seguidos. Já na luta por um lugar no Mundial de 2018, Portugal somou nove vitórias e apenas uma derrota.

Foi também nessa fase de apuramento para a prova que decorreria na Rússia que a equipa das Quinas faria a melhor média de golos conseguida na era Fernando Santos: 3,2 por jogo, com um total de 32 tiros certeiros, 15 deles com assinatura de Ronaldo. Na corrida para o próximo Mundial, Portugal ficou-se pelos 17 tentos, ou seja, 2,1 por jogo. Já os seis golos sofridos representam uma média de 0,75, igual ao registo do apuramento para o Euro"2020 mas pior do que o feito para o Mundial"2018 (0,4) e Euro"2016 (0,6).