Rui Jorge: "Não posso dizer que alguém que não jogue que não vem à Seleção"

Rui Jorge: "Não posso dizer que alguém que não jogue que não vem à Seleção"
Frederico Bártolo

Tópicos

Os jogadores da Seleção sub-21 chegam este domingo à concentração para o Europeu e Rui Jorge, em entrevista dada na terça-feira a O JOGO e aos outros desportivos, foca-se apenas no Grupo D e em ultrapassar Croácia (25/03), Inglaterra (28/03) e Suíça (31/03) para depois, sim, pensar na fase final.

Foi complicado fazer esta convocatória?

-Muito. Pela quantidade de jogadores selecionáveis e por cumprirem muitos dos requisitos. Os nomes estiveram até à última em equação e custa excluir quem ajudou no apuramento.

Há semelhanças entre este plantel e outros que tenha levado a Europeus?

-A qualidade. Para estarmos na fase final é preciso regularidade e só bons grupos de jogadores conseguem-no. Não gosto de comparações entre gerações, mas tínhamos mais nomes diferentes para os 23 lugares do que noutros anos.

Tem o cuidado de falar com cada um deles?

-Não dá para fazê-lo. Eles sabem que a lei do futebol é esta, que são decisões que tenho de tomar. O Vinagre sabe o que me custa deixá-lo de fora. Teve azar com Gibraltar, lesionou-se, mas hoje joga com assiduidade.

É um Europeu diferente por ter a fase de grupos separada por dois meses da fase final. Quis convocar jogadores com mais rotinas juntos?

-Parte importante das escolhas passou por aí. Não vou muito por estar dividido em dois. Temos pouco tempo de preparação em comparação a outra fase final, o que transtorna todos. Não me preocupo com maio. Haverá nova convocatória e tempo. Não há maio sem um bom março. E tem de ser bom. Se for mediano não chegamos à fase final em maio. Não vale a pena pensar numa fase final que não temos garantida. No título, que quero desde que aqui entrei, penso depois.

O 4x3x3 é a melhor opção tendo em conta a capacidade dos nossos extremos?

-Sim, temos jogado com extremos. Com o Conceição, Trincão, Jota [lesionou-se entretanto e falha o Europeu] e até o Leão [também lesionado e em dúvida] temos jogadores fortíssimos nas linhas. O 4x3x3 é o que está mais na minha cabeça, mas não fecho o sistema pois no 4x4x2 losango um dos dois avançados vai sempre à linha.

Há mais espaço aos jovens nas ligas. Isso é positivo para o Europeu?

-Quanto mais alto é o patamar de treino maior pode ser o crescimento. Tenho um passado com estes jogadores e sei o que me podem dar. Não posso dizer que alguém que não jogue que não vem porque podem estar em clubes onde é mais difícil jogar. O Diogo Costa tem sido titular nos sub-21. No FC Porto tem o Marchesín, que é fantástico. Naturalmente que terá menor possibilidades de jogar do que se estivesse num clube de menor dimensão. Procuro é um equilíbrio: seria impeditivo ter toda uma equipa com poucos minutos nos clubes. Não temos números tão bons como outras seleções, mas são muito melhores do que no passado. Estão a jogar cada vez mais e cada vez mais novos na Liga.