Ronaldo: os números, as declarações e um carrasco nunca visto pela Espanha

Ronaldo: os números, as declarações e um carrasco nunca visto pela Espanha

É o primeiro jogador a faturar em oito torneios consecutivos e igualou Puskas no topo dos artilheiros em jogos de seleções europeias.

Com três golos à Espanha, a quem, curiosamente, nunca tinha marcado antes, Cristiano Ronaldo adicionou mais uma noite genial para a sua vasta coleção, que ainda tem espaço para feitos inéditos. Ontem, o capitão da Seleção Nacional assinou registos que ficam na história do futebol mundial, mas preferiu destacar o "sacrifício" de toda a equipa. "Sempre acredito em mim, trabalho para isso, mas quero frisar a resposta da equipa. Começámos a ganhar e ficámos em desvantagem, mas nunca virámos a cara à luta", sublinhou o avançado que se tornou no primeiro jogador da história a faturar em oito torneios internacionais consecutivos: Euro 2004, 2008, 2012 e 2016; Mundial 2006, 2010, 2014 e 2018. Se alargarmos a análise a todos os torneios de seleções, Ronaldo também lá está: marcou nos Jogos Olímpicos de 2004 e na Taça das Confederações, no ano passado. De resto, só outros três jogadores marcaram em quatro mundiais: Pelé (Brasil), Seeler e Klose (Alemanha).

Não obstante, a verdade é que Ronaldo, ontem, marcou como nunca em campeonatos do mundo. Quando bisou já tinha atingido a sua melhor marca na prova, mas o livre direto catapultou-o para outros patamares. "O jogo estava a terminar, queríamos muito empatar", lembrou Ronaldo, que com o hat trick chegou aos 84 golos e igualou o húngaro Puskas no topo dos melhores marcadores de sempre em jogos de seleções europeias. No que apenas a Portugal diz respeito, o avançado do Real Madrid já é o melhor marcador luso na competição (seis golos) e Eusébio (1966) e Pauleta (2002 e 2006) são os únicos portugueses com três golos num jogo.

Feitas todas as contas, sobrou a tranquilidade de Ronaldo, para quem estas coisas começam a parecer cada vez mais normais. "Penso que o resultado foi justo, Portugal teve boas oportunidades, a Espanha o controlo da posse de bola. Jogámos contra uma das favoritas e mostrámos que vamos jogar até ao fim", garantiu o avançado, já a pensar em quarta-feira: "Foi apenas o primeiro jogo. Vamos tentar ganhar a Marrocos para dar um passo rumo à fase seguinte."

La Roja ganhou um carrasco

Se faltava a Espanha na lista de vítimas de Ronaldo, agora o luso é um carrasco. Ninguém tinha marcado três golos à Espanha em fases finais de grandes competições - Europeu, Mundial, Taça das Confederações. Aliás, em todos os jogos de La Roja nos mundiais, ninguém tinha marcado mais de dois golos, nem no mesmo jogo, nem na mesma edição, nem em várias! Com 33 anos, Cristiano é também o português mais velho a marcar em mundiais (passou Pauleta) e o segundo mais velho de todos a fazer um hat trick, atrás do sueco Kaller.