Portugal mantém-se no top 5 do ranking da FIFA

Portugal mantém-se no top 5 do ranking da FIFA
Redação com Lusa

Tópicos

Italianos capitalizarm vitórias sobre Irlanda do Norte, Bulgária e Lituânia, na qualificação para o Mundial'2022, para escalar três lugares na classificação liderada pela Bélgica. Polónia, Venezuela e Coreia do sul, orientadas por portugueses, desceram

A Itália, com um pleno de vitórias no arranque da qualificação para o Mundial'2022, subiu ao sétimo lugar no ranking da FIFA, liderado pela Bélgica e no qual Portugal se mantém em quinto, informou hoje o organismo.

A Squadra Azurra capitalizou as vitórias diante Irlanda do Norte, Bulgária e Lituânia para subir três posições, numa tabela em que, em contrapartida, Argentina e Uruguai desceram uma posição, para oitavo e nono, respetivamente.

Os sul-americanos viram os seus jogos previstos para o final de março adiados, perante a impossibilidade de contarem com muitos jogadores devido à recusa dos clubes europeus em libertarem os atletas, face à pandemia da covid-19.

A classificação da FIFA continua a ser liderada pela Bélgica, seguida da campeã mundial França, segunda, e do Brasil, terceiro. A Inglaterra ocupa o quarto lugar, à frente de Portugal, quinto, e de Espanha, sexta.

No "top 10", destaca-se também a entrada da Dinamarca, com uma subida do 12.º para o 10.º lugar, enquanto o México caiu para a 11.ª posição, à frente da Alemanha (12.ª).

Entre as seleções lideradas por treinadores portugueses, a Polónia estreou Paulo Sousa no arranque do apuramento, com uma vitória (Andorra), um empate (Hungria) e uma derrota (Inglaterra), e caiu dois lugares, para o 21.º posto

José Peseiro, que assumiu em fevereiro o comando da Venezuela, também viu a "sua" seleção descer duas posições, de 28.ª para 30.ª, sem que tivesse competido, por integrar a zona de qualificação sul-americana.

A Coreia do Sul, treinada por Paulo Bento, desceu de 38.ª para 39.ª, após ser derrotada no particular com o Japão, enquanto os Camarões, "de" António Conceição, mantiveram o 50.º posto, e o Barém, de Hélio Sousa, desceu a 99.º.

Outro dos destaques foi Cabo Verde, com uma subida de sete lugares (para 73.º), e Guiné-Bissau, de 11 (108.º), que carimbaram, nas jornadas de final de março, o apuramento para a Taça das Nações Africanas de 2021 (CAN'2021), adiada para 2022.