"No futebol não há grande lógica: Portugal perdeu em casa e ganhou em França"

"No futebol não há grande lógica: Portugal perdeu em casa e ganhou em França"

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Quim, antigo internacional português, falou sobre as ambições de Portugal na fase final da Liga das Nações.

O antigo internacional português Quim considera que o jogo com a Suíça, por ser o primeiro de uma grande competição e realizar-se em Portugal, pode trazer uma pressão adicional à equipa lusa. "O primeiro jogo de uma grande competição é sempre importante, ainda para mais jogando-se em Portugal, senti isso em 2004 [no Campeonato da Europa realizado em Portugal]. Não digo que sejamos obrigados a ganhar, mas sente-se essa pressão de querer vencer para dar uma alegria aos portugueses e pode ser um pouco mais complicado por aí", disse à agência Lusa sobre o desafio de quarta-feira, no Estádio do Dragão, no jogo inaugural da fase final da Liga das Nações.

Quim, que terminou a carreira em 2018 aos 42 anos, após vencer uma Taça de Portugal pelo Aves diante do Sporting, somou 32 internacionalizações por Portugal, mas no Euro2004 não saiu do banco de suplentes. "É uma competição mais curta, só dois jogos, uma final four, e a seleção tem todas as condições para poder passar à final e depois disputar o título, o primeiro da Liga das Nações. Seria extraordinário para os portugueses", disse.

Para o antigo jogador de Braga, Benfica e Aves, o fator casa significar ser favorito "é muito relativo". "No futebol não há grande lógica, em 2004 Portugal perdeu em casa [a final com a Grécia] e depois, em 2016, na França, ganhou à seleção da casa. Sendo em Portugal, podemos fazer algo bonito, contrariando o que aconteceu em 2004", desejou.

Para Quim, antes de pensar na final, Portugal deve concentrar-se apenas no jogo de quarta-feira. "Primeiro passar a Suíça, isso é o mais importante e não vai ser fácil. As finais, sejam contra quem for e como se costuma dizer, não são para se jogar, mas para ganhar", disse.

Considerando que Portugal, Suíça, Holanda e Inglaterra são "equipas de grande qualidade", o antigo guarda-redes deixou elogios a Rui Patrício. "Ele tem sido extraordinário, tem feito jogos fantásticos pela seleção e acredito que será ele o titular. O Rui Patrício cresceu em Inglaterra [Wolverhampton], onde não é fácil ser guarda-redes por causa do contacto físico e das muitas bolas aéreas", disse, destacando ainda o facto dos árbitros ingleses "não assinalarem certas faltas [sobre os guarda-redes] que em Portugal, por exemplo, são assinaladas".

Portugal e Suíça defrontam-se na quarta-feira, no Estádio do Dragão, no Porto, às 19h45.