"Não é por o Cristiano jogar ou não jogar que a equipa vai jogar melhor ou pior"

"Não é por o Cristiano jogar ou não jogar que a equipa vai jogar melhor ou pior"
Francisco Sebe

Declarações de João Félix, internacional português, antes do confronto com Marrocos, marcado para sábado (15h00) e referente aos quartos de final do Mundial.

Sente apreensão ou ansiedade relacionadas com Atlético de Madrid? "Zero. Estou completamente focado na Seleção, concentrado em fazer um grande Mundial, ajudar a equipa, dar alegria aos portugueses e a todos os que estão envolvidos neste projeto. Estou cem por cento focado aqui."

Palavras de Fonte (Portugal mais livre sem Cristiano): "Não sinto isso, não sinto essa obrigação de ter que passar a bola ao Cristiano. Procuramos sempre fazer o melhor em campo, passar para a melhor solução, mas cada um tem a sua opinião, cada um interpreta o jogo da forma que vê. Não sinto essa necessidade, mas o Fonte saberá o que disse. O Cristiano dá-nos outras coisas, se calhar com ele jogamos de forma diferente. Não é por o Cristiano jogar ou não jogar que a equipa vai jogar melhor ou pior."

Quando a equipa festeja, há pelo menos um jogador que fica em campo (Bernardo): "Isso tem a ver com a regra, nem sabia... Ele foi para dentro para que o adversário não pudesse seguir com o jogo. Foi para o árbitro não deixar seguir o jogo."

Sente-se mais feliz a jogar na Seleção? "Já me perguntaram mil vezes, mas... Maneiras diferentes de jogar, estou a representar o meu país, já jogo com alguns colegas há 10 anos. Jogo com o Dalot desde os nove anos, sempre estive habituado a jogar com eles, sentimos mais entrosamento, jogamos juntos... O ambiente é outro e só o facto de representar Portugal já é uma alegria extra."

Ronaldo: "A tática é a mesma, estando ele ou não estando. Foi assim desde o primeiro jogo. Ele tem características que outros não têm e já outros que têm características que ele não tem. A identidade da equipa é sempre a mesma."

Identidade: "A nossa identidade e base vai estar sempre lá. Os nossos aspetos ofensivos e defensivos vão lá estar, dependendo da forma como os outros atacam, mas a nossa identidade vai lá estar, temos vindo a fazer bem as coisas."

Recuo a 2018. Viu o Mundial, do que se recorda? "Lembro-me do Mundial, claro. Não me lembro de onde vi, assim de repente... Mas sempre vi os jogos quase todos. Há muitos jogadores que são exemplos para nós, jogadores que já jogaram centenas de jogos, dezenas de títulos... São todos exemplos para nós, mesmo estando inseridos no meio com eles, olhamos de maneira diferente. Não particularizando nenhum, todos acabam por ser um exemplo para nós."