"Joguei muitos anos futebol e bem sei como é quando estamos em risco para uma partida importante"

"Joguei muitos anos futebol e bem sei como é quando estamos em risco para uma partida importante"
Redação

Declarações do selecionador nacional no final do encontro com a República da Irlanda (0-0)

Risco: "Tirei os defesas, mas não por estarem em risco. Joguei muitos anos futebol e bem sei como é quando estamos em risco para uma partida importante. Por muito que queiramos. Se eu tiver de ir para um lance, como defesa, vou agarrar o meu adversário? Qual a decisão que tomo? Mais do que poupar para o próximo jogo, era evitar alguma coisa. Os meus jogadores diziam que sabiam. Eu sei que sabem, mas, em campo, na realidade, não sei. Acredito nos meus jogadores, que podiam levar amarelo. Por isso, poupei até três jogadores na defesa. Não sei se os jogadores, em campo, teriam esse compromisso. Queríamos ter o Pepe, mas confio no José Fonte, no Danilo e no Rúben Dias.

Dalot: "Não falo de jogadores, no capítulo individual."

Diferenças nos adversários: "São adversários diferentes. Mais difícil...É uma equipa mais poderosa, mas também empatou aqui. Os jogadores da Sérvia jogam em grandes campeonatos. Sempre que jogamos contra a Irlanda, não é de hoje, temos dificuldades. É uma equipa que trabalha muito, não tendo jogadores com tanto nome. A Sérvia vai criar problemas, mas joga de forma diferente. O jogo está preparado, no sentido global. Acredito que os meus jogadores vão voltar a fazer bem aquilo que fizeram depois do intervalo contra a Irlanda, no primeiro jogo."

Alterações: "Eu não substituí por substituir. Nem achei que Rafael Leão estivesse mal. Precisava de um central. Félix é mais médio do que Rafael Leão. Tem outra perceção a jogar numa linha de quatro."

Defesa: "O Danilo fez um excelente jogo. Nélson e Pepe também. Não conseguimos jogar o jogo interior. Os triângulos do meio campo e da frente nunca funcionaram. A bola podia ter entrado no Palhinha para depois entrar por fora. Sempre que tentámos, acabámos por jogar para trás. Sempre que a bola andou para a frente, conseguimos criar perigo. Os jogadores lutaram, mas não saiu. Nem todos os dias sai na perfeição."