A "chicotada" que mudou a vida de Fernando Santos

A "chicotada" que mudou a vida de Fernando Santos
Rodrigo Cortez

Tópicos

A história de um despedimento que a Seleção Nacional agradece

O selecionador nacional Fernando Santos contou esta quarta-feira, perante uma plateia constituída por estudantes universitários, que um dos momentos mais determinantes em toda a sua carreira de treinador foi o despedimento de que foi alvo quando orientava o Estoril.

"Já como treinador, subi o Estoril à I Liga e até conseguimos lá manter-nos durante alguns anos, mas depois acabei por ser despedido. Sabem como é, no futebol só contam os resultados. Na altura isso chateou-me. Fiquei mesmo melindrado com o presidente, até porque achei que ele poderia ter resolvido as coisas de forma diferente. Por exemplo, podia ter deixado a época terminar. Mas acabou por ser assim. Houve um dia em que entraram duas pessoas no campo, vieram direitas a mim e disseram-me: 'Você não é mais treinador!'", começou por contar Fernando Santos, na Faculdade de Motricidade Humana (Cruz Quebrada, Algés), numa palestra subordinada ao tema: "Do engenheiro ao treinador de futebol. Relatos de uma experiência de vida".

E prosseguiu o selecionador: "Passados alguns anos, tenho que lhes agradecer, porque a verdade é que, se não me tivessem despedido naquele dia, hoje não estaria aqui sentado na qualidade de selecionador nacional. E digo isto porque, a seguir, só aceitei treinar o Estrela da Amadora para comprovar a capacidade que teria ou não para ser treinador. Tinha vários convites para clubes de fora de Lisboa, que recusei, mas aceitei o Estrela por ser aqui perto e acabei por lá ficar durante três anos e meio."

Sobre a experiência no clube da Amadora, aliás, o selecionador precisou que só nessa altura deixou de trabalhar a tempo inteiro, como engenheiro, num hotel do Estoril. Até que, a certa altura, deixou mesmo o emprego que durante muitos anos tinha tido ao mesmo tempo que jogava: "Nos últimos dois anos do Estrela já estava sob licença sem vencimento. E ainda hoje a tenho. Se quiser voltar amanhã ao trabalho, volto. Mas foi aí, já no Estrela da Amadora, que tomei a decisão clara de que iria ser ser treinador de futebol."

Atualmente com 67 anos, Fernando Santos trocou o Estoril pelo Estrela em 1994, quando tinha 40 anos. No clube da linha, entre as funções de jogador e de treinador (que chegou a acumular), esteve durante mais de 20 anos, com uma breve pausa no início da década de 90, para representar o Marítimo.