"Cristiano Ronaldo não devia ter jogado"

"Cristiano Ronaldo não devia ter jogado"

Depoimento de Jaime Pacheco, treinador de futebol e campeão nacional pelo Boavista.

"A exemplo do que aconteceu com outras seleções neste Mundial, Portugal mostrou neste jogo com a Coreia do Sul que as mudanças em demasia nunca não boas. É um campeonato muito curto e há que ajustar, pontualmente, a equipa em função dos cartões amarelos e da fadiga que possa existir. E as alterações, a serem feitas, devem servir para dar ritmo e confiança aos jogadores, garantir melhor entrosamento mas sem correr riscos. É importante ganhar e também é importante dar tempo a quem não tem jogado tanto e que pode assumir, nos jogos que faltam, um papel relevante na equipa.

Um exemplo claro disto é Cristiano Ronaldo. Não tenho dúvidas de que não devia ter jogado. O nosso selecionador deveria tê-lo poupado, atendendo à sua condição atual. Independentemente dos recordes que quer alcançar e dos golos que deseja continuar a marcar, Ronaldo tem de pensar nos superiores interesses da Seleção. Se estiver bem, vai ser positivo para ele, para o selecionador e para Portugal. Se ele não estiver bem, será mau para todos, como aconteceu neste jogo.

A estratégia a utilizar com CR7, na minha opinião, deveria ser o que fez Zidane no Real Madrid, onde o poupavam nos jogos menos importantes e estava na máxima força nas fases decisivas. Conclusão disso foi que Zidane tirou sempre o máximo rendimento dele e isso acabou por ser vantajoso para o jogador, para o treinador e para o clube.

Em relação ao jogo, entrámos bem, a ganhar, mas não soubemos manter o ritmo inicial. Fiquei, mais uma vez, com a certeza de que Dalot deve ser sempre titular, pois ataca e defende bem. Está um jogador completo.

Não me parece que a derrota possa afetar o grupo. No dia após o jogo o peso do resultado negativo começa a diluir-se. São contextos circunstanciais, em que há algum abalo emocional no momento, mas no treino seguinte tudo passa e o único pensamento é ganhar o jogo seguinte. Esta derrota pode ser aproveitada por Fernando Santos para ter referências mais concretas sobre o que pode fazer no próximo desafio.

Segue-se a Suíça, uma equipa cuja estrela é o coletivo. São homogéneos, têm bons jogadores, alguns experientes, outros jovens de qualidade. Destaco Xhaka, Embolo e Vargas, que me faz lembrar o nosso Diogo Jota. Vamos ter de jogar na máxima força!"