Dirigente uruguaio alega que FIFA admitiu ter existido erro no penálti de Portugal

Penálti de Bruno Fernandes

 foto AFP

Em causa a mão na bola de José María Giménez que ditou a grande penalidade convertida por Bruno Fernandes aos 90+3 minutos do Portugal-Uruguai.

Um dirigente da Federação uruguaia de futebol alegou esta quarta-feira que Massimo Busacca, chefe da arbitragem da FIFA, admitiu que a grande penalidade assinalada a favor de Portugal, aos 90+3 minutos do jogo com o Uruguai, não deveria ter sido assinalada.

Em declarações ao canal uruguaio "Sport 890", Eduardo Ache acrescentou que o comentário foi dirigido a Alejandro Domínguez, presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL), que lhe foi pedir explicações após o final da partida, que terminou com uma vitória portuguesa por 2-0.

"O próprio presidente da CONMEBOL conversou com Busacca, que acabou por admitir que foi uma má decisão. O próprio Busacca admitiu que a decisão do árbitro não foi correta, entendem? O VAR chamou e o árbitro foi "na onda". Isso é o que o Busacca disse", revelou o dirigente da "Celeste".

Recorde-se que o penálti, convertido com sucesso por Bruno Fernandes, foi atribuído por uma mão na bola do central José María Giménez.