Diogo Dalot e Mário Rui desafiam plano de Fernando Santos

Diogo Dalot

 foto EPA/MIGUEL A. LOPES

Titular nos quatro primeiros jogos da Liga das Nações, Cancelo só ficou de fora na Chéquia por estar castigado, enquanto Nuno Mendes foi alternando a titularidade à esquerda com Raphael Guerreiro.

As boas exibições que Diogo Dalot e Mário Rui realizaram na Chéquia levantam sérias dúvidas em relação aos laterais que vão alinhar amanhã, em Braga. Os dois desafiam os planos de Fernando Santos e isto porque, para o lado direito da defesa, Cancelo foi sempre titular nos quatro primeiros jogos da Liga das Nações.

No entanto, depois da exibição que o defesa dos "red devils" realizou com a Chéquia, torna-se complicado tentar adivinhar quem irá jogar de início com a Espanha, numa altura em que Cancelo está de regresso às opções, depois de ter cumprido um jogo de castigo.

Se Cancelo tem apresentado um nível elevado tanto no Manchester City como na Seleção, Diogo Dalot atravessa um bom momento no United e marcou dois golos na Chéquia, tornando-se num dos poucos defesas a bisar pela Seleção - juntou-se a Rúben Dias (2022, contra a Croácia), Paulo Madeira (1999, Liechtenstein), Frederico (1989, Angola), Humberto Coelho (1980, Israel) e Jacinto (1968, Roménia) -, mas o primeiro lateral-direito de raiz a marcar dois golos no mesmo jogo pelas Quinas.

E se Dalot desafia os planos de Fernando Santos, Mário Rui faz o mesmo no lado oposto. O lateral-esquerdo do Nápoles esteve em bom plano em Praga, fez a assistência para o golo de Bruno Fernandes e até foi elogiado por Fernando Santos no final da partida.

O histórico dos jogos desta Liga das Nações diz-nos que o selecionador foi alternando a titularidade entre Raphael Guerreiro e Nuno Mendes. Como o defesa do Paris Saint-Germain ficou no banco em Praga, o mais lógico seria que jogasse amanhã, mas falta saber se Mário Rui não terá convencido Fernando Santos.