Vitinha pretende ser uma "referência" no PSG: "Não me assusta nada"

Vitinha pretende ser uma "referência" no PSG: "Não me assusta nada"
Redação

Vitinha, jogador que foi transferido do FC Porto para o PSG, concedeu uma entrevista à RMC Sport. Confira alguns dos pontos abordados.

Primeiras impressões e a cidade de Paris: "Ainda não tive oportunidade de visitar. Cheguei há dois dias. Vim para fazer exames médicos, assinei e depois voltei. Estou aqui há dois dias. Tive tempo para treinar de manhã e à tarde. Só consegui ver a cidade de carro."

Ascensão na carreira até ao PSG: "Assustava-me era se não estivesse a jogar no FC Porto, onde estivesse. Todos sonham com isto. Só me deixa feliz. Não me assusta nada."

Sonho concretizado? "Era um dos meus objetivos. A Liga francesa é muita competitiva, um pouco física, muita velocidade. Vamos ver como reajo a estas características de jogo. Quero impor o meu jogo, impor a minha maneira de jogar, para que seja importante."

Negócio superior a 40 milhões. Pressão? "Não olho a isso. É algo que o mercado dita. Não devo concentrar-me nisso, apenas no trabalho diário para ajudar a equipa."

Qualidades: "Não gosto muito de falar de mim, prefiro que vejam e tirem conclusões. Sou um jogador técnico, gosto de ter bola, organizar jogo, criar e adicionei também, ultimamente, a parte defensiva, a agressividade, o reagir à perda da bola."

Concorrência no meio-campo: "Somos diferentes, com características diferentes. Cabe-me preparar para ajudar quando for chamado."

Titularidade: "Qualquer jogador vem com a intenção de ser titular, ninguém quer ser suplente. Tenho de estar preparado para todos os cenários. Caso jogue, perfeito, caso não jogue, é estar preparado para trabalhar ainda mais."

Comparações com Xavi, Deco e Moutinho: "Vi um bocadinho de todos. Gostei de os ver jogar, mas quero ser o Vitinha, ser uma referência mais tarde. Verratti? Temos médios de todas as características. Sou mais um para ajudar."