"Vi a forma como aquele homem festejava e abracei-me a ele. Nem pensei no vírus"

"Vi a forma como aquele homem festejava e abracei-me a ele. Nem pensei no vírus"

Neto recorda golo do triunfo frente ao Chelsea e festejo emocionado com um apanha-bolas.

Contra o Chelsea, os Wolves ganharam com um golo no fim e com um golo seu. Qual foi a sensação?
-Se uma das piores coisas que há no futebol é perder no último minuto, uma das melhores é ganhar no fim. Foi um grande sentimento, depois de um jogo muito difícil, de termos estado a perder por 1-0, mas não inchámos o ego por termos ganho ao Chelsea.

Foi o golo mais marcante que fez em Inglaterra?
-Sim, apesar de ter tido um também importante contra o Southampton.

E não conteve a felicidade, foi abraçar-se a um apanha-bolas, verdade?
Sim. Não temos adeptos no estádio e sinto falta deles. Naquele momento vi a forma como aquele homem festejava, senti a alegria dele e fui abraçar-me a ele, sinto que de certo modo o deixei ainda mais feliz. Foi algo de natural, fruto da saudade dos adeptos.

E nem pensou no coronavírus e no distanciamento...
Nem pensei duas vezes, foi apenas um momento de pura felicidade.