Taça Libertadores: Palmeiras de Abel vence Atlético Mineiro nos penáltis e está nas "meias"

Taça Libertadores: Palmeiras de Abel vence Atlético Mineiro nos penáltis e está nas "meias"
Redação com Lusa

Equipa comandada pelo treinador português resistiu com nove jogadores (0-0) para depois vencer, 6-5, nas grandes penalidades.

O Palmeiras, do português Abel Ferreira, qualificou-se na quarta-feira de forma épica para as meias-finais da Taça Libertadores, mantendo-se na corrida ao "tri", ao resistir (0-0) com nove ao Atlético Mineiro, para vencer nos penáltis (6-5).

Depois do empate a dois golos em Belo Horizonte, onde esteve a perder por 2-0, o Palmeiras teve um jogo muito complicado no Allianz Park, culpa das expulsões de Danilo, aos 29 minutos, e Gustavo Scarpa, aos 82', após entradas duríssimas.

Com menos um dos 29 aos 82 minutos e menos dois dos 82 até aos 90+6, altura em que Eduardo Vargas viu o segundo amarelo, por protestos, para o encontro acabar num "10 contra nove", o "verdão" logrou segurar o "nulo" e forçar os penáltis.

O ex-portista Hulk foi o jogador que esteve mais perto de resolver a eliminatória no tempo regulamentar, em duas ocasiões de "ouro" nos descontos, primeiro com um remate ao lado, aos 90+2 minutos, e depois com um centro/remate ao poste direito, aos 90+3.

Na "lotaria", as duas equipas mostraram grande competência, ao acertarem os primeiros 10 pontapés, para, ao 11.º, Rubens atirar fraco e denunciado para a defesa de Weverton, com Murilo Cerqueira a não desperdiçar a oportunidade para fazer o 6-5.

Com este triunfo, o Palmeiras fica agora à espera do confronto de hoje na Argentina, onde o Estudiantes recebe o Athletico Paranaense, do ex-selecionador luso Luiz Felipe Scolari, para o fecho dos "quartos", depois do empate a zero no Brasil.

O conjunto de São Paulo, campeão em 1999, 2020 e 2021, vai em busca de um "tri" que só Estudiantes (1968 a 1970) e Independiente (1972 a 1975) - que ainda chegou ao tetra" - conseguiram, e também de igualar os quatro cetros de Estudiantes e River Plate.