Rui Silva: "Aprendi a deixar os erros para trás"

Rui Silva: "Aprendi a deixar os erros para trás"
Francisco Sebe

Guarda-redes português do Bétis frisa a importância de trabalhar o aspeto mental. Sobre a concorrência com Claudio Bravo e Joel Robles, garante que os ingredientes principais são "respeito e muito trabalho".

Rui Silva rumou ao Bétis no último verão e tem contribuído para a surpreendente campanha dos sevilhanos na Liga espanhola, onde ocupam, atualmente, o terceiro posto da tabela classificativa. A rotação na baliza promovida por Manuel Pellegrini tem sido nota de destaque e, em entrevista ao canal do clube, o guarda-redes português apontou o "respeito" e "muito trabalho" como aspetos fundamentais da competição saudável com Claudio Bravo e Joel Robles.

"O treinador está a gerir bem entre todos os guarda-redes e a competição saudável entre nós é muito importante. Estou a desfrutar muito o que estamos a viver. Há muito respeito, muito trabalho e esses são ingredientes fundamentais para chegar ao êxito. O Claudio e o Joel são guarda-redes com muita experiência, eu estou no melhor momento da minha carreira. Amadureci, estou mais experiente. E isso, com a experiência de cada um e o respeito de cada um, é fundamental para chegar ao êxito. Quando cada um joga, corresponde da melhor forma. O respeito é fundamental porque não estamos a pensar se o colega está a falar de nós ou algo do género e isso seria complicado para quando cada um jogue. Esse respeito, portanto, é fundamental para ter êxitos", assinalou Rui Silva, que salienta a importância do aspeto mental na vida diária de um guarda-redes.

"Antes, quando cometia um erro, dava-lhe muita importância, estava a pensar demasiado nesse erro durante o jogo e isso é o pior que pode acontecer porque pode vir outro erro e não estás presente no jogo. Mas aprendi a deixar os erros para trás e manter-me focado na próxima jogada, na próxima ação", explicou. A integração no Bétis tem corrido às mil maravilhas e, nos tempos livres, há sempre tempo para espreitar outra das grandes paixões: a Fórmula 1.

"Estou muito bem integrado. A mudança não foi muito grande porque Sevilha é perto de Granada, a Liga é a mesma, mas há sempre coisas que mudam. É uma equipa diferente, ideias novas e no início é sempre mais difícil. No início notava essa mudança, porque sabia que era diferente a forma como jogava no Granada e no Bétis, onde o guarda-redes tem de estar mais predisposto a receber a bola, onde o jogo de pés é importante, é preciso um período de adaptação e creio que com os jogos que pude disputar fui crescendo", prosseguiu. "Quando há uma semana mais livre, gosto de comer fora, ir conhecer a cidade, as zonas mais importantes, a parte histórica, mas também gosto de estar em casa e ler, ver séries, filmes... Agora estou a ver o documentário de Neymar. Creio que vai sair também a nova temporada da Fórmula 1, que gosto muito", contou.

Quanto ao momento do Bétis, que também está apurado para os quartos de final da Taça do Rei, e vai disputar o play-off da Liga Europa, aponta a... melhorias. "A equipa está muito contente, a desfrutar. Quando perdes nem tudo está mal e quando ganhas nem tudo está bem. No futebol tudo muda muito rápido e temos de desfrutar o momento. Já estivemos menos bem, mas agora que estamos bem, queremos melhorar e competir da mesma maneira", rematou Rui Silva.