Paulo Fonseca: a Roma, Lopetegui e o sucesso internacional português

Paulo Fonseca: a Roma, Lopetegui e o sucesso internacional português

Em entrevista ao jornal AS, Paulo Fonseca falou sobre o bom momento e o futuro da Roma, deixou elogios ao Sevilha e a Julen Lopetegui e ainda explicou a razão para o sucesso internacional dos treinadores portugueses.

Em entrevista ao jornal espanhol AS, o treinador da Roma, Paulo Fonseca, fez um balanço da época na Serie A, falou da Liga Europa e explicou a razão para o sucesso internacional dos treinadores portugueses.

"O futebol italiano foi uma grande surpresa para mim, tem um nível altíssimo. Sabia que as equipas são fortes e organizadas, mas além disso atacam e não são somente defensivas. O Bota de Ouro foi Immobile e até ao confinamento a Serie A era a liga que tinha mais golos por jogo entre os grandes campeonatos da Europa", começou por dizer o treinador português.

"É uma competição ofensiva, de muito espetáculo e golos. É verdade que tática e defensivamente as equipas italianas são fortes, mas é preciso acabar com o mito do Catenaccio em Itália. Do ponto de vista ofensivo é dos melhores campeonatos da Europa", assegurou.

A Roma apontou, esta temporada, 77 golos em 38 jornadas, um número superior à da campeã Juventus, e Paulo Fonseca comentou o bom momento da sua equipa: "Tivemos que nos adaptar a este período depois do confinamento que foi um momento muito difícil. A equipa voltou a juntar-se, fizemos um final de campeonato fantástico, no qual só cedemos um empate frente ao Inter nos minutos finais. Estamos num bom momento, motivados pelos resultados".

Questionado sobre o projeto dos Giallorossi, Paulo Fonseca explicou qual o melhor caminho: "Há dois caminhos para que sejamos mais fortes. Investir como a Juve ou o Inter - e a Roma, neste momento, não tem essa possibilidade - ou dar continuidade e fazer um trabalho para sustentar o futuro. Esse é o nosso caminho. Apostar nos jovens, para que eles ganhem experiência, e através da continuidade do trabalho fazer o que, por exemplo, fez a Atalanta: estar mais perto dos primeiros e lutar pelo título. Se esta equipa tiver continuidade, pode ser muito forte no futuro".

Na quinta-feira, a Roma vai jogar contra o Sevilha, em jogo a contar para os oitavos de final da Liga Europa, e o treinador falou da equipa de Julen Lopetegui: "O Sevilha ganhou este título três vezes nos últimos seis anos, o seu passado recente no torneio demonstra a sua força. O que fez só está ao alcance dos grandes clubes. Conheço bem Lopetegui, tanto no plano pessoal como profissional. Foi o treinador que me substituiu no ano seguinte à minha passagem pelo FC Porto. Temos boa relação, é um técnico que admiro muito. As suas equipas são muito intensas e dinâmicas", disse.

Em relação ao sucesso internacional dos treinadores portugueses, Paulo Fonseca explicou: "Há uma formação de treinadores de grande nível em Portugal. Além da grande escola de treinadores que há, que sofreu grandes mudanças, o treinador português tem uma capacidade de adaptar-se a diferentes contextos e essa é uma grande arma. E também temos treinadores de referência que abriram as portas aos restantes nos grandes campeonatos. O mais importante é que houve uma mudança de mentalidade no treinador português, na forma de pensar o jogo. Hoje há um nível muito alto", finalizou.