Jorge Silva: "O Benfica marcou-me, mas fui forçado a sair"

Jorge Silva: "O Benfica marcou-me, mas fui forçado a sair"
Manuel Casaca

ENTREVISTA - Do FC Porto ao Benfica, passando por Lázio e Boavista, onde esteve cedido na última época, Jorge Silva, de 22 anos falou das experiências que viveu e admite que gostaria de voltar aos encarnados. Jorge Silva admite que foi nos encarnados que viveu os melhores momentos da sua ainda curta carreira, apesar de o terem "empurrado" da Luz. No Olival, começou a jogar a sério

Jorge Silva iniciou a carreira na formação do FC Porto, tendo posteriormente passado pelo Benfica, clube que deixou em 2017 para assinar pela Lázio. Na última temporada esteve emprestado ao Boavista, mas não passou da equipa de sub-23. O defesa-central aceitou o repto de O JOGO e falou dos momentos que viveu em todos eles.

Como foi a sua passagem pelo FC Porto?

-Gostei muito, foi um espetáculo. Foi no FC Porto que comecei a jogar a sério. Andei pela equipa B dos sub-14 e sub-15, mas nunca desisti, dei a volta por cima e, no último ano no clube, nos sub-16, saí como capitão de equipa. Joguei com o Diogo Costa, Diogo Leite, Diogo Dalot, Diogo Queirós e João Félix, sem esquecer muitos outros que ainda vão mostrar a qualidade que têm.

Está a referir-se a quem?

-Gosto muito do Paulo Estrela, que está nos sub-23 do Portimonense. Se calhar, ainda não teve a oportunidade que merece, mas mais cedo ou mais tarde vai mostrar a qualidade que tem.

E como foi a passagem pelo Benfica?

-De início foi difícil, porque foi a primeira vez que estive fora e casa. Fui viver para o centro de estágio com o meu irmão [Fábio Silva] e foi complicado deixar os meus pais e a minha irmã, que na altura era pequena. Mas a nível futebolístico foram os meus melhores anos. Gostei muito. O Benfica é uma grande instituição. O FC Porto também é, mas o Benfica marcou-me, porque lidei com pessoas incríveis e tinha todas as condições. Foram dois anos muito bons. Gostava até de um dia voltar, porque gostei muito de ter estado lá. Tive oportunidade de jogar com o Florentino Luís, com o Jota, que agora está no Celtic e com o Gedson Fernandes.

E novamente com o João Félix...

-Sim, é verdade. Fomos quatro do FC Porto para o Benfica: eu, o meu irmão, o Félix e o irmão dele, o Hugo Félix.

Arrependido de ter deixado o Benfica?

-Não estou arrependido, porque não me arrependo de nada, mas a verdade é que fui forçado a sair. Por mim, não tinha saído, mas na altura o meu irmão tinha saído do Benfica para voltar ao FC Porto e ficaram chateados. O Benfica castigou-me, colocaram-me a correr à volta do campo e a treinar à parte. Fiquei triste com essas atitudes de algumas pessoas, mas o clube não têm culpa dessas pessoas me terem tratado dessa forma.

"Merecia ter jogado no Boavista"

Emprestado ao Boavista na última época, Jorge Silva fez 21 jogos e marcou dois golos pelos sub-23, mas acabou por não chegar à equipa principal. Acredita, no entanto, que deixou uma porta aberta.

Na última época esteve emprestado ao Boavista. Como correu a época?

-Correu bem, mas senti que as pessoas não olharam para mim como deviam. Disseram-me que ia começar nos sub-23, porque tinha chegado no último dia do mercado, mas depois ia para a equipa principal. Isso não aconteceu, mas o futebol que mostrei foi mais do que suficiente para merecer uma oportunidade. Fiz a diferença nos sub-23, merecia ter feito muitos jogos na equipa A e isso nunca aconteceu. Fiquei triste, porque foi um clube que gostei de representar. Quando eu jogava, sentia muito o clube, principalmente no Estádio do Bessa. Aliás, quando soube que me queriam para esta época, fiquei muito contente, até porque tinha hipótese de representar um clube onde o meu pai fez história.

Acredita que ainda pode voltar ao Boavista em janeiro?

-Não há impossíveis na vida. Acima de tudo, gostava de ir para sítio onde me sentisse valorizado.