"Treinadores portugueses fazem escola"

"Treinadores portugueses fazem escola"

Villas-Boas acredita que afirmação do técnico do Real Madrid foi "momento decisivo" para a nova geração. "Somos um produto de fácil exportação", explica.

Treinador principal há pouco mais de uma década, José Mourinho mudou a forma como se olha para os bancos dos clubes portugueses. Para André Villas-Boas, a afirmação do técnico natural de Setúbal foi "um momento decisivo na formação do treinador português". "O efeito Mourinho criou um bom exemplo na nova geração: muita gente tenta estudar o que ele faz. E isso pode irradiar abrindo um caminho para o treinador português no exterior. Temos exemplos históricos de sucesso. O povo português facilmente se adapta, sai para o mundo, é uma cultura imigrante, de partir à conquista desde os séculos passados, é um hábito muito nosso. Aprendemos línguas com facilidade, somos um produto de fácil exportação", constata.

Uma coisa é certa: Villas-Boas não coloca entre os objetivos ser selecionador nacional. "Acho difícil. Tenho o máximo respeito do que é representar o país. Obviamente que seria um orgulho para mim, mas não é algo que faz parte das minhas ambições de carreira", avisa.

Diferente é a sua posição quando se pergunta se gostaria de trabalhar no Brasil. "Sempre gostei da ideia de experimentar campeonatos diferentes, nunca escondi que gostaria de trabalhar num lugar com excelente nível técnico, como o Brasil. Mas isso é no futuro. Agora estou totalmente concentrado no Tottenham. Estou muito feliz e determinado em continuar a progredir e alcançar os objetivos", explica.