Bernardo Silva: os calções cor de rosa, o grupo de WhatsApp e a Bola de Ouro

Bernardo Silva: os calções cor de rosa, o grupo de WhatsApp e a Bola de Ouro

O internacional português aterrou em Manchester em 2017. Vinha direto de Ibiza, estava de calções e apanhou um frio de rachar.

Dificilmente Bernardo Silva poderá esquecer o primeiro impacto à chegada a Manchester, antes de assinar pelo City, em 2017.

Em entrevista à BBC, o internacional português lembrou o verão em que deixou o Mónaco e a surpresa que apanhou ao constatar que, em pleno mês de julho, estava frio na cidade inglesa.

"As pessoas dizem que o tempo em Manchester era sempre chuvoso, mas eu não acreditei e, então, cheguei com os meus calções de banho cor de rosa, diretamente de Ibiza. Estava frio em julho, quando cheguei, e pensei: 'É assim o ano inteiro?' E é mesmo", começou por referir o extremo de 25 anos, revelando também que, antes de sair do Mónaco, fazia parte de um grupo de WhatsApp chamado "mercado de transferências":

"Tínhamos um grupo que se chamou 'mercado de transferências' durante algumas horas, porque sabíamos que, ao jogar na Liga dos Campeões, íamos gerar interesse noutros clubes", recordou Bernardo, que não tem pressa que ser visto como favorito à conquista da Bola de Ouro, depois de ter ficado de fora do "top 10" para o prémio de 2019, numa decisão que gerou alguma controvérsia.

"A Bola de Ouro é o prémio que tem sido conquistado por dois jogadores nos últimos dez anos. Claro que quero ser um dos melhores e ganhar os maiores troféus, como a Liga dos Campeões, mas não tenho de pensar neste tipo de prémios individuais. Se aparecerem, fantástico. Mas só quero trabalhar e ajudar a equipa", rematou Bernardo Silva.