"FC Porto e Sporting? Não chegaram a falar comigo, só com o meu empresário"

"FC Porto e Sporting? Não chegaram a falar comigo, só com o meu empresário"

André Almeida, jogador do Valência, ex-V. Guimarães, em entrevista a O JOGO.

Transferido em agosto para o Valência, André Almeida leva dois golos e duas assistências em 11 jogos. Sob o comando do italiano Gattuso, "uma lenda mundial" que sabe motivar os jogadores e transmitir-lhes paixão pelo jogo, o médio já se adaptou ao futebol espanhol, mais rápido e direto do que o português, e alimenta os sonhos de jogar na Champions e ser chamado à Seleção Nacional.

Já deixou de pensar que tem treino do Vitória quando o despertador toca de manhã?

-Sim (risos), agora já estou mais ambientado ao Valêncio. Mas nunca deixou de pensar no Vitória, até porque o equipamento do Valência é parecido: também é preto e branco. Por vezes até parece que estou no Vitória. O meu coração estará sempre lá, mas darei sempre tudo pelo Valência.

Que metas estabeleceu o Valência para esta época?

-Desde que cheguei, sinto que podemos sempre ganhar, seja o Barcelona ou o Atlético de Madrid. Seja contra quem for, o pensamento da equipa é sempre ganhar. Queremos muito chegar aos lugares europeus. Apostamos por isso num regresso em força no campeonato, estamos a treinar duro neste segunda pré-época nesse sentido. Temos um grupo muito jovem, com muitas ambições.

Foi o reforço mais caro do Valência (7,5 milhões de euros) para esta época. Isso é uma responsabilidade grande?

-Senti desde logo que o clube apostava muito em mim, depositava grande confiança nas minhas capacidades. Resta-me trabalhar a dobrar para corresponder em campo. O valor da minha transferência nunca funcionou como um fator inibidor. Nunca pensei muito no dinheiro que custei, simplesmente só penso em evoluir diariamente. Quero ser cada vez melhor para no futuro não desiludir ninguém. Não me quero arrepender desta aposta. Quero dar tudo sempre em campo.

Leva dois golos, o último apontado de livre ao Bétis, e duas assistências, somando quatro jogos seguidos a titular. Conquistou por fim Gennaro Gattuso?

-No futebol, tudo muda rapidamente. Tanto podemos estar muito bem como muito mal. Faz-se de fases, baseia-se no rendimento. Nunca há lugares conquistados. A qualquer momento tudo pode mudar. Adaptei-me bem, não esperava que fosse tão rapidamente. Por estar perto de Portugal, da família e dos amigos, e também por ter a minha namorada comigo, tudo se tornou mais fácil. Por outro lado, a cidade de Valência é fantástica. Foi considerada a melhor do mundo para viver. O clube as pessoas do clube são espetaculares e os meus colegas ajudaram-me muito. As diferenças? Tive de me habituar a um futebol mais rápido, em Portugal é tudo mais à zona. O jogo é mais aberto em Espanha, com marcações homem a homem, de resto é tudo igual: onze contra onze e uma bola.

Como lida com o feitio intempestivo do treinador do Valência?

-Muita gente me pergunta isso. Ele não é aquilo que as pessoas imaginam. É uma pessoa espetacular. Está sempre do nosso lado. Apoia muito os jogadores, motiva-os. O discurso dele envolve sempre palavras positivas. É um motivador nato. Tem muita paixão pelo futebol e, naturalmente, enerva-se nos jogos, mas isso até é bom para os jogadores. É uma lenda mundial, um conquistador. Conquistou tudo e por isso é um exemplo para qualquer jogador.

Chegou a ser apontado ao FC Porto para o lugar de Vitinha (PSG) e ao Sporting para o lugar de Matheus Nunes (Wolverhampton). Foram, de facto, possibilidades?

-Não chegaram a falar comigo, falavam só com o meu empresário [Jorge Pires]. É sempre bom, um orgulho, ser associado a esses clubes, mas nunca chegaram a acordo com o Vitória.

Seguiu também o conselho do presidente António Miguel Cardoso de partir somente para o estrangeiro?

-As pessoas de Guimarães preferem sempre que os jogadores da casa representem em Portugal somente o Vitória. E eu estou muito contente por ter vindo para o Valência. Foi o passo certo. Era importante jogar com regularidade e evoluir e é o que está a acontecer. Estou muito feliz, não podia pedir outra coisa. Estou a jogar num grande clube numa das principais ligas do mundo. O Valência é um clube enorme, as pessoas em Portugal se calhar não têm noção disso. O estádio está sempre cheio, com mais 40 mil espetadores. Em Tondela, por exemplo, só víamos praticamente as pessoas que viajavam de Guimarães. Aqui, em Espanha, é uma festa em todos os jogos, sempre com os estádios cheios.

Sendo presença habitual nos sub-21, tem como objetivo alcançar rapidamente a Seleção Nacional?

-Tenho objetivos individuais e esse sonho, tal como sonho jogar na Champions. Estou focado na minha evolução para chegar um dia a esses patamares.

Até onde poderá chegar Portugal neste Mundial?

-Acredito na vitória, temos que acreditar. Portugal tem um grupo de jogadores com muito talento, estamos claramente entre as melhores seleções. Acredito muito na conquista do Mundial.