Exclusivo Carvalhal conquista o Celtismo: "Fala de rock 'n' roll e que o Celta foi AC/DC"

Carvalhal conquista o Celtismo: "Fala de rock 'n' roll e que o Celta foi AC/DC"
Pedro Cadima

Toque de Midas? Carlos Carvalhal revolucionou comportamentos e transportou Celta da zona de despromoção para o 10º lugar de LaLiga. Absolutamente adorado

Carlos Carvalhal é já um sucesso sem igual em Vigo, tendo caído na graça dos vigueses e dos adeptos do Celta com uma valorização sentida e calorosa. O técnico português galvanizou Balaídos, fortaleceu os laços nas bancadas, dinamizou a cumplicidade e os afetos entre os jogadores e a cidade. Multiplicam-se as sensações que o Celta descobriu um treinador para longo prazo com níveis de empatia e competência profundamente enraizados.

O JOGO quis ouvir a nação celeste sobre o homem que transformou a época, que meteu travão nas angústias dos adeptos e nas desconfianças do grupo. Há um rescaldo avassalador de entusiasmo com Carvalhal a poder saborear algo parecido ao que viveu no Sheffield Wednesday. Através de conversas com o jornalista Pedro Pablo Alonso, com o multifacetado repórter e entertainer televisivo Gonzo, com o ator Morris, com o ciclista Óscar Pereiro e com o antigo jogador Toni Dovale... a conclusão é uma, única e lapidar: Carvalhal conquistou Vigo pela serenidade e visão. É quem pode devolver sonhos maiores ao clube galego, que viveu fase dourada com Mostovoi, Karpin, Makelelé, Gustavo López e Mazinho em anos de Victor Fernández. Da fuga aos lugares de despromoção ao alento europeu...do renascimento de Aspas à explosão de Gabri Veiga, há um toque de Midas do técnico, que vai além dos resultados, suplanta o evidente, sublima uma comunhão. O encanto tem crescido, exponenciado com o 3-0 ao Rayo e o 3-1 no reduto do Espanhol, não havendo vestígio de qualquer rasto de indiferença.