"Vitinha tem perfil para ser capitão do FC Porto, ser o maestro da equipa"

Vitinha

 foto Ivan Del Val/Global Imagens

ENTREVISTA >> Luís Gonçalves esteve entre agosto de 2019 e março de 2021 no comando da seleção de Moçambique, cargo que deixou de forma inesperada.

Luís Gonçalves esteve entre agosto de 2019 e março de 2021 no comando da seleção de Moçambique, cargo que deixou de forma inesperada. A O JOGO, o treinador considera que ainda havia muito por fazer e lamenta a "falta de organização dos dirigentes". Perto de completar 50 anos e com um passado ligado à formação, o técnico diz-se preparado para novos desafios e que gostava de treinar na Liga Bwin.

Luís Gonçalves passou pela formação do FC Porto na época 2014/2015 e trabalhou com jogadores que estão agora em destaque na formação principal, como João Mário, Fábio Vieira e Vitinha.

Trabalhou na formação do FC Porto em 2014/2015. Nessa altura, como estava a formação portista comparativamente aos rivais?
-Na altura, treinei os iniciados e havia algumas dificuldades quando chegávamos às fases finais. Mas era uma estrutura muito bem organizada, então com o Luís Castro como coordenador técnico. Nem sempre se ganhava, mas estavam a ser lançadas as bases para o futuro. A prova foi a vitória na Youth League e os jogadores que estão a ser lançados na equipa principal.

O que ganha o FC Porto em lançar jogadores da formação na equipa principal?
-Acima de tudo, ganha qualidade. Não acredito que Sérgio Conceição os lançasse se não viessem acrescentar qualidade. E penso que um dos objetivos do atual projeto do FC Porto é potenciar a formação.

Orientou João Mário, Fábio Vieira e Vitinha na formação. Qual é deles tem perfil de líder?
-O Vitinha, sem dúvida. Tem perfil para ser capitão do FC Porto no futuro. Por ser o maestro da equipa e também pela personalidade que impõe na forma como joga. Quando treinei os iniciados do FC Porto, nem sempre o colocava a jogar, porque comigo não havia titulares absolutos na formação. Uma vez veio falar comigo a dizer que estava preocupado, que achava que as coisas não lhe estavam a correr bem e queria saber onde podia melhorar.

E João Mário e Fábio Vieira o que podem acrescentar?
-O Fábio Vieira é mais irreverente, criativo e imprevisível. Já João Mário tem um perfil mais discreto. Sempre me habituei a vê-lo jogar mais à frente, embora o Sérgio Conceição o esteja a utilizar como lateral-direito. Tem feito bons jogos e adequa-se ao bem ao estilo do FC Porto, que joga com laterais mais projetados.