Abel Ferreira: "Não sou o melhor treinador do mundo, mas sonho um dia ser"

Abel Ferreira: "Não sou o melhor treinador do mundo, mas sonho um dia ser"
Redação

Declarações de Abel Ferreira, treinador do Palmeiras, após a vitória diante do Internacional (1-0), este domingo, em jogo a contar para a 27.ª jornada do Brasileirão.

Competitividade: "A vitória traz confiança. Sabemos que a pressão de ganhar com o emblema do Palmeiras é diária, nos treinos, nos jogos. Precisávamos muito destes três pontos, que dão confiança à equipa. Como disse antes, quando temos todo o grupo disponível, somos mais fortes, competitivos. Quando os jogadores das seleções regressam, somos uma equipa mais madura, competitiva, mais séria."

Pontos a corrigir: "Muitas vezes, a tendência da equipa quando está com um a mais é o ponta de lança não defender, o meia não defender, os pontas não defenderem. Só aí já são quatro a menos a marcar. E nosso adversário continua com 10. Nós temos ordem e disciplina na nossa equipa, somos uma equipa equilibrada, tem que saber defender, saber contra-atacar, saber propor jogo, saber fazer golos em bolas paradas. Mas não houve estratégia nenhuma, o que houve foi falta de concentração e foco nas tarefas defensivas. Isso nós vamos ter que corrigir. Mas de modo geral, a equipa comportou-se bem num momento difícil em que precisávamos ganhar."

Autocrítica: "Não sou o melhor treinador do mundo, mas sonho um dia ser. Já disse que não faço milagres, não tenho varinha mágica. São os jogadores que fazem a diferença nesta equipa e, quando estamos todos juntos, somos todos mais fortes. Quando o grupo está todo junto, a experiência... quando é preciso agarrar a equipa, aparecem os mais experientes. Quando as coisas apertam, os jovens têm mais dificuldades".

Um ano de Palmeiras: "Para mim, o futebol é vida. Eu estou junto com a minha mulher há mais de 20 anos e ela também pode responder essa pergunta. Tem a ver com criatividade, inovação, não fazer sempre a mesma coisa. Esse sou eu, essa é a minha equipa, às vezes ganha, às vezes perde, às vezes dizem que o treinador é burro, outras que é um génio. Não gosto sempre de fazer a mesma coisa. Hoje fizemos uma saída diferente com o Felipe Melo, andámos a treinar em jogo porque queremos melhorar".

Vaias a Luiz Adriano: "A única coisa que quero dizer sobre isso, e faço um desafio aos nossos adeptos, é que quando quiserem criticar, critiquem o treinador. Durante o jogo se quiserem criticar, critiquem o treinador, falem que não presta, o que quiserem para desabafar, e deixem os meus jogadores. Se todos fizerem isso, vamos conseguir tirar o máximo de rendimento do Luiz Adriano. Ele é um chama títulos, um avançado que chama títulos."