"Tive sorte com os médicos e com o diagnóstico. Estou muito motivado para voltar à minha antiga vida"

"Tive sorte com os médicos e com o diagnóstico. Estou muito motivado para voltar à minha antiga vida"
Redação com Lusa

Christian Eriksen, de 30 anos, foi convocado para a formação dinamarquesa que irá disputar os jogos de preparação para o Mundial'2022 frente aos Países Baixos, no sábado, e Sérvia, na terça-feira

O médio Christian Eriksen disse hoje estar "muito feliz" por voltar aos trabalhos da seleção dinamarquesa de futebol, nove meses depois de ter sofrido uma paragem cardiorrespiratória no Euro'2020.

"Estou muito feliz por estar de volta à seleção, já passou muito tempo", afirmou o jogador, em conferência de imprensa, em Marbella, Espanha, onde a seleção da Dinamarca se encontra a estagiar.

Eriksen, a quem foi implantado um desfibrilhador para prevenir o risco de morte súbita, disse que "está tudo bem" e acrescentou: "Tive sorte com os médicos e com o diagnóstico. Estou muito motivado para voltar à minha "antiga" vida."

"Não teria voltado se soubesse que algo de menos bom pode acontecer", afirmou o jogador, que, depois do incidente no Euro, rescindiu com o Inter de Milão, já que em Itália é proibido jogar com o dispositivo que tem implantado, e assinou pelos ingleses do Brentford.

Christian Eriksen, de 30 anos, foi convocado para a formação dinamarquesa que irá disputar os jogos de preparação para o Mundial'2022 frente aos Países Baixos, no sábado, e Sérvia, na terça-feira.

No entanto, o jogador testou positivo ao coronavírus na semana passada, e só hoje se juntou à equipa, liderada por Kasper Hjulmand, que já fez depender a utilização de Eriksen de uma avaliação da equipa técnica, de modo a perceber o seu atual estado físico.

Eriksen, que soma 109 internacionalizações e 39 golos pela seleção, pode assim voltar a vestir a camisola da Dinamarca pela primeira vez desde a paragem cardiorrespiratória que sofreu no Euro'2020, no embate entre Dinamarca e Finlândia (0-1), em que caiu desamparado no relvado, aos 43 minutos.

Na ocasião, em 12 de junho de 2021, com um cordão de jogadores a proteger as imagens do que se estava a passar, foram as equipas médicas a reverter a situação clínica do jogador, que, segundo o médico da seleção, "esteve morto" durante uns momentos.

A seleção dinamarquesa qualificou-se para Mundial Catar'2022, ao vencer o grupo F da qualificação europeia, depois de ter chegado às meias-finais do Euro'2020.